domingo, 13 de janeiro de 2008

365 dias

Trezentos e sessenta e cinco dias decorreram num ápice. Completar um ano de existência obriga-nos a fazer um balanço sintético do que de mais importante aconteceu desde o dia em que tivemos a ideia de nos lançarmos nesta aventura.
Pensamos que a experiência do Vilaquistão mostrou que VRSA tem dimensão suficiente para que este novo modelo de comunicação social – os blogues – ocupe um espaço que tem sido paulatinamente abandonado pelos velhos modelos, cada vez mais subordinados a pressões económicas e políticas.
A partir de hoje passamos a uma velocidade de cruzeiro, reduzimos gastos e poupamos energia, tão cara nos tempos que correm. Não é o final da aventura mas é uma espécie de “volto já!” sem prazo definido.
Esperamos que as quase 24.000 visitas que este blogue teve sejam um incentivo para todos aqueles que nos apoiaram e mesmo para os que sempre nos criticaram pela opção (claramente assumida) da utilização de pseudónimos.
Lançar um blogue é hoje uma operação de grande simplicidade. Juntar um grupo de amigos com vontade de o criar pode ser um primeiro passo. O difícil é escrever o primeiro artigo. Haja vontade.
Até já.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

Pesca alternativa

Com as águas do Guadiana interditadas à maioria dos pescadores amadores vila-realenses há que procurar alternativas viáveis.
As ilhas dos Açores são uma possibilidade. Duas horas de viagem para lá, mais duas para cá e um mar rico em peixe à espera dos mais aventureiros. Convém tirar a licença de pesca numa das ilhas.
Por sua vez, o estreito de Gibraltar apresenta a vantagem da proximidade. Ao mesmo tempo, as probabilidades da captura de um grande tunídeo são elevadas.

Os Açores



O Estreito

quinta-feira, 10 de janeiro de 2008

Fundamentalismo proibicionista

Um leitor questiona-se sobre a veracidade da proibição da pesca na margem portuguesa do Guadiana. Uma imagem vale por mil palavras.
Hoje à tarde, por volta das 17 horas, o molhe da barra de Vila Real de Santo António mostrava o aspecto que as imagens documentam.
O único pescador que observámos mergulhava livre de preocupações embora com todos os sentidos alerta.
2008 trouxe para VRSA a proibição de fumar em espaços fechados e a da pesca lúdica na margem direita da foz do rio Guadiana.
Compreendemos que barcos de pesca lúdica fundeados no canal de navegação possam ser um empecilho e um problema para a circulação do (quase inexistente) tráfego de embarcações mas é uma completa idiotice a medida absurda que proíbe inofensivos pescadores de passarem umas horas a dar banho à minhoca e a ocuparem o seu tempo livre numa actividade com séculos de tradição.


Norte

Sul

Mais norte

Mais sul

O único pescador

terça-feira, 8 de janeiro de 2008

Pesca proibida

Os sargos e os robalos do Guadiana gozam de um estatuto especial de protecção desde o início de 2008. As autoridades que fiscalizam o sector esperaram um ano para aplicar a nova lei que regula a pesca lúdica e proibiram a actividade ao longo da margem, incluindo todo o molhe da barra. Desta forma as capturas de sargos, robalos, douradas e corvinas passaram à história e a palavra proibido adquiriu um novo significado na vida quotidiana de centenas de vila-realenses.
Sem a presença quase permanente dos habituais pescadores, o molhe tem apresentado um ar desolador, dando a impressão de que estes preferem evitar o sofrimento da proximidade de um local especial, quase mágico, que desde sempre lhes permitiu gozar o seu tempo livre e praticar uma actividade saudável e propiciadora de momentos de grande alegria.
O problema em VRSA é o artigo 6.º da Portaria n.º 868/2006 de 29 de Agosto que interdita a pesca lúdica em barras, respectivos acessos e embocaduras; canais de acesso, canais de aproximação e canais estreitos em portos; canais balizados; a menos de 100 m de docas, portos de abrigo, embarcadouros, estaleiros de construção naval e estabelecimentos de aquicultura; portos de pesca e marinas de recreio e a menos de 100 m da zona de qualquer esgoto.

Como se vê, não sobra um metro na margem do Guadiana onde a pesca seja possível, restando a alternativa de pescar na costa onde os resultados serão sempre escassos. De acordo com a lei para pescar a pé, os pescadores vão ter de desembolsar entre cinco e 45 euros, consoante pretendam uma licença local ou nacional e para um mês, um ano ou três anos.

segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

A lenta agonia das palmeiras

Chegaram a estar viçosas, com um verde que deixava a esperança de se terem habituado ao seu novo habitat. Uma ou outra teve problemas de adaptação e foi rapidamente substituída.

Nos dias que correm, neste início de 2008, a sua cor e aspecto geral causa alguma inquietação e a impressão que deixam a quem as observa com olhos de ver é a de uma agonia contagiosa que as leva, pouco a pouco, a perder as folhas e a secar irremediavelmente.
As caras e portentosas palmeiras da Avenida da República de Vila Real de Santo António foram adquiridas e transplantadas na altura da remodelação daquela artéria vila-realense há alguns anos atrás e algo de menos bom está a acontecer-lhes.
Esperemos que os técnicos especialistas em doenças de plantas (exóticas?) consigam debelar o mal a tempo.

domingo, 6 de janeiro de 2008

VRSA na imprensa

Algarve tem fumadores a mais
«Na região, as consultas públicas de apoio aos fumadores estão ainda no princípio: existentes no Hospital de Faro desde Janeiro de 2003, e em Tavira desde Maio de 2006, só há poucos meses se começaram a alargar a outras zonas.
Os centros de saúde de Vila Real de Santo António, São Brás de Alportel e Olhão têm consultas desde há alguns meses e a eles se juntará neste início de ano o centro de saúde de Loulé.»

(Notícia completa no Observatório do Algarve)

quinta-feira, 3 de janeiro de 2008

A lápide do Bispo Juliano

A oportunidade de visitar uma exposição internacional onde um achado arqueológico descoberto no nosso concelho é uma das peças em destaque é um acontecimento extremamente raro.
Acontece nos próximos dias, até 27 de Janeiro. Trata-se nada mais nada menos do que a lápide funerária em mármore do Bispo Juliano, datada de 21 de Março de 991, encontrada provavelmente no lugar da Fonte Santa em Vila Nova de Cacela.
Nem sempre é possível ver a lápide em Lisboa no Museu Nacional de Arqueologia, de cujo inventário faz parte, por isso, se tiver tempo e oportunidade, dê um saltinho ali já ao Rio, ao Centro Cultural Banco do Brasil, na rua Primeiro de Março, 66. O espaço abre de terça a domingo, das 10h às 21h e a entrada é grátis.

Se não tiver tempo para se deslocar ao Rio de Janeiro ainda está a tempo de visitar a excelente e bem conseguida exposição temática "Indústria Conserveira em Vila Real de Santo António", no Arquivo Histórico Municipal, aberto de segunda a sexta-feira das 9h30 às 12h30 e das 14h00 às 16h30.

quarta-feira, 2 de janeiro de 2008

2008 com mais festas e mais foguetes



Vila Real de Santo António não terá em 2008 os empregos que a sua população jovem desempregada tanto necessita. Os hotéis e campos de golfe tardam em gerar os prometidos empregos. Com o sector público amarrado às restrições orçamentais e impossibilitado de criar postos de trabalho, só as empresas municipais poderão dar emprego a alguns boys e contribuir para a melhoria dos magros rendimentos familiares.
Entretanto o programa de festas e foguetes da autarquia para 2008 é algo que não irá ser deixado ao acaso sendo novamente uma marca distintiva da gestão “social-democrata mais um” .
Uma fonte próxima do executivo garantiu-nos que os fogos da passagem de ano de 2008 para 2009 serão inesquecíveis, tendo sido enviado discretamente a Taiwan um “olheiro” que trouxe o vídeo que hoje divulgamos.
O gabinete de apoio estará já em negociações com os proprietários dos prédios mais elevados de Monte Gordo para auscultar a receptividade a uma proposta de espectáculo deste género. No entanto, uma facção do PSD, que desde a primeira hora discorda da celebração da festa principal em Monte Gordo, indicou já o farol de VRSA como o local mais apropriado para o fogo-de-artifício.

domingo, 30 de dezembro de 2007

VRSA na imprensa

Monte Gordo já se despede de 2007
«Hoje, dia 30, em Monte Gordo, a noite vai ser animada com a música do «Dj Flip D’Palm». No dia 31, a partir das 22h00, sobe ao palco o grupo, «Alquimia», e à meia-noite e durante cerca de 20 minutos, o fogo-de-artíficio iluminará o céu da baía de Monte Gordo.»
(Notícia completa no Guia da Cidade.com)

Vila Real lança cartões para famílias com baixos rendimentos
«Comparticipação extra na aquisição de medicamentos ou reduções no pagamento de taxas e licenças municipais fazem parte da lista de vantagens. Privados podem associar-se ao projecto e oferecer descontos na compra de bens e serviços.»
(Notícia completa no Barlavento)

Teatro Infantil de Cuba: «La Colmenita» em VRSA
«A primeira companhia de teatro infantil de Cuba, «La Colmenita», fará, entre os dias 3 e 13 de Janeiro, uma digressão a várias cidades de Portugal. Esta companhia é caracterizada por desenvolver programas e ateliés em diferentes sectores de Havana e em comunidades do interior de Cuba, com ênfase na integração das crianças e adolescentes.»
(Notícia completa no Avante!)

Greve afecta casinos no Algarve
«O funcionamento das salas de jogo dos três casinos do Algarve foi seriamente afectado pela paralisação que se iniciou quarta-feira e se deverá prolongar até ao fim de ano, disse à Lusa fonte sindical.
A greve nos casinos de Monte Gordo, Praia da Rocha e Vilamoura, a quinta este ano, depois de três paralisações em Agosto e outra em Outubro, registou até às 03:00 de quarta-feira, hora de fecho das salas de jogo tradicional, uma adesão de cerca de 80 por cento, disse a mesma fonte.»
(Notícia completa no Portugal Diário)

Marroquinos no Algarve
«Aí, já tive ocasião de falar com alguns desses homens, eram de Olhão de Loulé, de Vila Real de Santo António. Alguns contaram-me das suas aventuras e desventuras com os "passadores", que os transportavam em traineiras para Safi, Larache, Salé, Al-jadida, etc. Nas suas histórias havia quase sempre referência à maneira acolhedora e gentil como foram recebidos pelos pescadores pobres e pela população da costa Marroquina.
Rapidamente aí se estabeleceram, alguns vieram depois buscar os filhos e as esposas e ainda vivem nesse país, outros voltaram com a família nos seus automóveis de matrícula marroquina, e com eles trouxeram o gosto pelo jogo da petanca que os franceses haviam nos anos 50 introduzido em Marrocos, e que hoje é tão popular no Algarve.»
(Artigo completo no Esquerda.net)

domingo, 23 de dezembro de 2007

VRSA na imprensa

Casas da Música
«Propõe-se a nossa Autarquia investir 93 milhões de euro ao abrigo da recém criada Rede Urbana do Baixo Guadiana (Programa Polis XXI), para a requalificação da zona ribeirinha do Guadiana, a que alguns sectores ecologistas lusos e espanhóis, já chamam a “betonização da margem direita”, temendo venha a acontecer o que acontece na margem esquerda. Ela prevê, para citar algumas obras de maior vulto, a construção de um hotel de 5 estrelas, a ampliação das instalações da ANG e uma marina para embarcações de recreio. Será que sobrarão alguns “tostões” para a recuperação da “nossa” Casa da Música, também ela inserida na zona ribeirinha do Guadiana?... Quando façamos a sua recuperação, não nos esqueçamos de agradecer publicamente a quem fez a doação – pois, mais vale tarde do que nunca...»

(Artigo completo no Jornal do Algarve)

Polis XXI só para o centro da região
«Entre os autarcas que defendiam o projecto de renovação do Baixo Guadiana, o mal-estar é evidente. A não aprovação do projecto é encarada por José Estevens, autarca de Castro Marim, como “uma contradição do Governo, que defende o combate à desertificação e agora não aproveita esta oportunidade, assim haverá um Algarve cada vez mais rico e outro cada vez mais pobre”, contesta. O autarca de Vila Real de Santo António, Luís Gomes, é da mesma opinião, mas diz não desmotivar e pretende apresentar novas propostas que visem concretizar os projectos que caíram. Para Francisco Amaral, de Alcoutim, “esta é mais uma injustiça em relação ao Nordeste algarvio, somos uma das zonas mais pobres da Europa e assim vamos continuar”.»
(Notícia completa no Correio da Manhã)

«Eixo central» do Algarve foi mais forte
«Apesar de a candidatura do Baixo Guadiana não ter sido uma das cinco seleccionadas a nível nacional, o presidente da Câmara Municipal de Vila Real de Santo António já assegurou ao «barlavento» que tenciona recandidatar-se na segunda fase apresentação de propostas ao Polis XXI, o que deverá acontecer em Abril de 2008.»
(Notícia completa no Barlavento)

sábado, 22 de dezembro de 2007


O Vilaquistão deseja a todos os amigos, colaboradores, comentadores, leitores e visitantes ocasionais um Feliz Natal.

sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

Cuidado com as mudanças bruscas de direcção

Guadiana, o rio da vida: dois sítios a visitar

(foto Fundación Pura Vida)

Um sítio interessante para conhecer melhor o rio Guadiana, o grande rio do sul da Península ibérica. A sua história, a orografia, as barragens (488 !?) existentes na sua bacia hidrográfica, a fauna e a flora.
Uma linguagem acessível a miúdos e crescidos. A única dificuldade é o castelhano. Trata-se de um sítio oficial da Confederação Hidrográfica do Guadiana, uma entidade dependente do Ministério do Meio Ambiente do estado espanhol.
A segunda proposta é a de uma navegação livre pelas páginas da Fundação Pura Vida, especialmente as dedicadas ao Baixo Guadiana. Esta entidade dedica-se à defesa do meio ambiente e dos ecossistemas de Espanha numa perspectiva de desenvolvimento sustentável.

terça-feira, 18 de dezembro de 2007

Os primeiros a chegar

(foto ilustrativa canarias7.es)
Os primeiros imigrantes ilegais provenientes do norte de África chegaram na segunda-feira às costas algarvias.
O reforço dos meios de vigilância que se tem vindo a acentuar nos últimos meses nas costas espanholas poderá empurrar as “linhas de navegação” para as praias algarvias, menos perigosas, mais acessíveis e onde as correntes marítimas são praticamente insignificantes.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

Candidatura ao Polis XXI foi pelo Guadiana abaixo

Ainda não foi desta que os concelhos ribeirinhos do Baixo Guadiana conseguiram os meios necessários para garantir o início da urbanização da margem portuguesa do grande rio do sul, num processo que consideram fundamental para desenvolver a região e combater a desertificação.
Esta tarde, em Lamego, o secretário de Estado do Ordenamento do Território e Cidades anunciou as cinco candidaturas contempladas na fase preliminar do programa Polis XXI: a de Vila Real/Lamego/Régua, a de Braga/Guimarães/Barcelos/Vila Nova de Famalicão, o Corredor Azul coordenado por Évora, a candidatura em torno das energias alternativas, coordenada por Moura, e a de Faro/Olhão/Tavira/São Brás de Alportel/Loulé.
A candidatura de VRSA/Castro Marim/Alcoutim/Mértola tinha sido publicamente contestada por partidos ecologistas portugueses e espanhóis em conferência de imprensa realizada em Ayamonte na semana passada.
Como em Abril se prevê nova vaga de candidaturas, e é conhecida a persistência dos autarcas que dificilmente desistirão de lutar por galinhas de ovos de oiro, é natural que os movimentos ecologistas e de defesa do meio ambiente aproveitem este interregno para organizar e preparar novas campanhas de luta contra a transformação das margens do guadiana em aldeamentos incaracterísticos e habitados por fantasmas na maior parte do ano.

domingo, 16 de dezembro de 2007

VRSA na imprensa

"Betonização" das margens do rio Guadiana preocupa partidos ecologistas de Portugal e Espanha
«Os partidos ecologistas "Os Verdes" de Portugal e Espanha manifestaram-se esta segunda-feira preocupados com a candidatura de quatro Câmaras do Baixo Guadiana ao programa Polis XXI, porque "pode conduzir à betonização" da margem esquerda do rio.
Em conferência de imprensa realizada ontem na vila fronteiriça espanhola de Ayamonte, deputados dos dois partidos criticaram também a crescente urbanização dos dois lados do Guadiana, sobretudo no lado espanhol.»

(Notícia completa no Barlavento)

VRSA acusa "Verdes" de serem populistas
«A Câmara de Vila Real de Santo António (VRSA) acusou hoje os partidos ecologistas "Os Verdes" de Portugal e Espanha de populistas por classificaram o programa Polis XXI de "betonização" da margem esquerda do rio Guadiana.
Os partidos ecologistas "Os Verdes" de Portugal e Espanha reuniram-se segunda-feira na vila fronteiriça espanhola de Ayamonte e manifestaram preocupação com a candidatura de quatro câmaras do Baixo Guadiana ao programa Polis XXI, porque "pode conduzir à betonização" da margem esquerda do rio.
O projecto Polis XXI foi apresentado publicamente a 30 de Novembro e contempla dezenas de investimentos, públicos e privados, ao longo do rio, que podem atingir dois mil milhões de euros.»
(Notícia completa no Observatório do Algarve)

Memorial Gastronómico com forte afluência
«O I Memorial Gastronómico de Vila Real de Santo António atraiu à cidade milhares de visitantes, na maioria espanhóis. O evento decorreu nos dias 30 de Novembro, 1, 2, 6, 7, 8 e 9 de Dezembro. Participaram onze restaurantes do centro da cidade.»
(Notícia completa no Região Sul)

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Rural e urbano

Sob o signo do grande rio do Sul vamos de Castro Marim até Afonso Vicente. Lado a lado com o Rio Guadiana, deambulamos por entre salinas, sapais, montes e vales, barragens, ribeiras e ancoradouros. Numa paisagem em que o rio assoma a cada curva, a flora e a fauna reafirmam que se está bem por ali. São as praias fluviais, as artes da pesca, os ensopados de enguias, a apetitosa lampreia. O rio está por perto e sempre amigo. São sinais de labuta simples, a cestaria em cana, as rendas de bilros, as miniaturas em madeira. Seguimos ao encontro de vestígios milenares de ocupação humana, desde o Neolítico à época fenícia, romana ou árabe. Castelos, muralhas, torreões circulares e torres quadrangulares. E o prazer da descoberta da arquitectura rural à entrada de cada povoação... os fornos comunitários, arramadas e palheiros.»


O texto que acima reproduzimos, do sítio visitalgarve.pt, dentro de anos poderá ser a seguinte redacção:


2015 - Trajectos PolisXXI do Guadiana ao Nordeste

Sob o signo do grande rio do Sul vamos de Castro Marim até Afonso Vicente ao longo da Rede Urbana do Baixo Guadiana.
Lado a lado com o Rio Guadiana, circulamos rapidamente pela nova via rápida de quatro faixas de rodagem por entre campos de golfe, apart-hotéis, condomínios fechados, restaurantes e bares, estações de tratamento de águas residuais, regatos, portos de recreio, ancoradouros privados, sem esquecer as imprescindíveis estações de serviço que nos permitem abastecer as viaturas, descansar e comer uma refeição rápida.
Numa paisagem em que com alguma boa vontade é possível ver o rio assomar a cada curva, entre o branco dos aldeamentos turísticos que formam uma muralha ao longo da margem direita do Guadiana, o verde-relva dos inúmeros campos de golfe mostra como é possível transformar um espaço rural antes abandonado e vítima da desertificação humana em áreas turísticas modernas e desenvolvidas.
A flora e a fauna tradicionais podem ser vistas no museu de Guerreiros do Rio, situado no lado norte da marina daquela localidade. No lado sul é inadiável uma visita ao Museu de Figuras de Cera onde os quatro Polis-Presidentes são reproduzidos em tamanho natural a assinar o contrato que trouxe o progresso ao Baixo Guadiana. O ar feliz e satisfeito dos autarcas reafirma que se está bem por ali.
São as piscinas, as artes da pesca, os ensopados de mujem, o apetitoso salmão importado em embalagens certificadas pela ASAE. O rio está por perto e há sempre amigos a navegar em cruzeiro ou nas inúmeras embarcações que sobem e descem o rio carregados de turistas sedentos e barulhentos.
São sinais de labuta contínua, as gruas em movimento, os camiões do cimento, as movimentações de terras, as procissões de veículos pesados que diariamente alimentam de bens de consumo este novo Algarve até há poucos anos esquecido.
Numa breve visita, se houver tempo para tal, seguimos ao encontro de vestígios milenares de ocupação humana, desde o Neolítico à época fenícia, romana ou árabe. Castelos, muralhas, torreões circulares e torres quadrangulares provam que esta foi uma região sempre habitada e que sofreu as investidas de povos e gentes de toda a Europa.
Finalmente, a cada passo, o prazer da descoberta da arquitectura dos grandes ateliers, uma arquitectura consagrada, de renome, de assinatura, convenientemente assinalada à entrada de cada aldeamento.

Memória prodigiosa

A ministra da educação bem se esforça mas as estatísticas não enganam. Os alunos portugueses falam muito nas aulas mas o saber é cada vez menor.
Neste caso é a própria criança que se diverte a aprender. Mais e mais, apesar do cansaço evidente dos pais. Portugal surge lá para o fim. Um vídeo que devia ser visto nas escolas portuguesas.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

VISOR DIGITAL
(Nave - serialslb / panoramio.com)

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

terça-feira, 11 de dezembro de 2007

Corrupção, um vírus sem cura à vista

No domingo foi assinalado em muitos países o Dia Internacional Contra a Corrupção. A 31 de Outubro de 2003, a Assembleia Geral das Nações Unidas proclamou a data de 9 de Dezembro como Dia Internacional Contra a Corrupção.
A data coincidiu com a presença em Lisboa de muitos líderes de países africanos que são sobejamente conhecidos pela prática continuada de atentados aos direitos humanos dos respectivos povos e pelos altos níveis de corrupção dos governos a que presidem.
Em Portugal, desde Maio que uma exposição itinerante percorreu o país permitindo à Polícia Judiciária, à Direcção-Geral das Contribuições e Impostos e à Inspecção-Geral de Finanças sensibilizarem o público por meio de "uma mensagem de prevenção acompanhada de um apelo à cidadania responsável e participativa".
A corrupção atravessa transversalmente todas sociedades, começando nos níveis inferiores, como mostra este vídeo divulgado no YouTube, até aos sectores de topo onde se praticam as grandes negociatas que podem envolver muitos milhões de dólares ou euros.
De acordo com o DN, que cita um estudo elaborado pela PJ a ser divulgado no início de 2008, no nosso país as autarquias, as forças de segurança e a administração central são as entidades alvo da maioria das denúncias feitas ao Ministério Público sob a acusação de uso de poderes e bens públicos para proveito próprio.
O ano de 2008 pode marcar uma mudança importante na protecção dada pelo Estado aos denunciantes e testemunhas dos casos de corrupção. Um diploma em preparação pelo Governo poderá dar maiores garantias aos cidadãos que efectuarem denúncias públicas já que poderão beneficiar de protecção policial.
Nos países que se preocupam com o fenómeno da corrupção, a criatividade das leis é cada vez mais inovadora. No Brasil alguns estados já beneficiam os contribuintes que procuram o ministério público para denunciar casos de corrupção e evasão fiscal, reduzindo os valores dos impostos cobrados pelo Estado.

VISOR DIGITAL


(Vaca na Ponte - João Caetano Dias / panoramio.com)


segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

Pesca de cerco

(Eilif Peterssen-Laksefiskeren (1889) - Wikipedia)

O Vilaquistão gosta de navegar sem rumo certo e sem destino previsto. Estas navegações fazem parte da busca de um conhecimento que nem sempre é visível à superfície das águas.
Vila Real de Santo António é uma cidade com larga tradição nas artes da pesca. Num passado longínquo até chegou a ter, pasme-se, um bacalhoeiro. Mas não é de bacalhau que hoje falamos. O nosso pensamento está mais virado para um tipo de pesca que tem por objectivo obter o máximo de capturas em cada lance efectuado – o cerco.
Na pesca de cerco a rede é colocada em volta de um cardume e o cabo do fundo pode ser puxado até formar um saco onde todo o peixe fica aprisionado.
Os actores principais da vida política concelhia aprenderam depressa os métodos mais eficazes de intimidação e pressão sobre os adversários, sobretudo sobre aqueles que imaginam ter alguma coisa a esconder.
Há meses atrás, por coincidência, deram entrada na Direcção Regional de Educação do Algarve dois pedidos de informação sobre uma autorização de acumulação de funções concedida por aquela entidade a um professor da Escola Básica D. José I que, por coincidência, é o presidente da secção concelhia do Partido Socialista, Álvaro Araújo.
A DREALG pediu pareceres à Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos (CADA) que, nos dois casos, decidiu favoravelmente aos interessados na informação sobre a “legalidade da acumulação” – uma jornalista do Postal do Algarve e um particular que depende profissionalmente da Câmara Municipal de Vila Real de Santo António.
Defendemos a transparência de todos os actos públicos e o direito à informação como pilares de uma sociedade mais democrática. Isso não nos impede de observar atentamente os meios utilizados para se alcançarem determinados fins.
Esperamos que o silêncio a que o PS se encontra remetido no plano informativo nada tenha a ver com a pesca de cerco.

domingo, 9 de dezembro de 2007

Plano Municipal de Leitura (PML)

No Causa Nossa Vital Moreira reproduz um artigo de opinião publicado no jornal Público. Uma opinião interessante sobre as ambiguidades do acordo entre PS e PSD para a reforma do sistema de governo das autarquias. De leitura recomendável.

VRSA na imprensa

Clube de Ténis vila-realense conquista o 'tri'
«O Clube de Ténis de Vila Real de Santo António/Condiana (CTVRSA) conseguiu alcançar um feito histórico, ao sagrar-se campeão nacional, pelo terceiro ano consecutivo, em equipas seniores masculinos.»

(Notícia completa no Barlavento)

PCP critica chumbos de proposta para Guadiana
«O PCP queixa-se de ter visto chumbadas várias propostas que considera essenciais para a região, nomeadamente a Ponte Internacional Alcoutim – San Lúcar, a electrificação e duplicação da Via-Férrea de Vila Real de Santo António a Lagos, a construção da Barragem da Foupana, ou a dragagem da Barra do Guadiana em Vila Real de Santo António.»
(Notícia completa no Observatório do Algarve»

O autarca, a deputada e as idas a Cuba
«Excluindo aquelas raras intervenções que possivelmente só em Cuba poderão ter resposta, com estes dados acabo por dar razão à Deputada porque com o mesmo dinheiro mais pessoas podiam ser ajudadas. Antes de acabar, pelo que me foi dado a conhecer pelos jornais, televisões e pela informações que corre pelo povo, restam-me muitas dúvidas no rigor da selecção dos casos e das dificuldades económicas de alguns dos seleccionados. Um cidadão atento e participativo.»
(Artigo completo no Jornal do Algarve)

Unidade de Saúde Familiar em 2008
«Rui Lourenço revelou ainda que os utentes dos municípios de Castro Marim e Vila Real de Santo António, no Sotavento Algarvio, também estão em vias de ganhar em 2008 uma USF, que com uma equipa base vai cobrir os dois territórios com cuidados primários de saúde.»
(Notícia completa no Barlavento)

A homenagem dos 1000 euros
«A Câmara de Vila Real de Santo António cancelou uma homenagem ao atleta Nelson Évora, devido a um pedido de mil euros por parte de uma agência de imagem para que a cerimónia se fizesse, disse hoje fonte municipal.»
(Notícia completa no Expresso)

sábado, 8 de dezembro de 2007

VISOR DIGITAL

(OVNI no Guadiana - Julio Álvarez - panoramio.com)

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

120 agentes apreendem 500 quilos de alimentos, 35 litros de gasolina espanhola e garrafas de gás

Cerca de 120 agentes da GNR Territorial, Trânsito e Fiscal, PSP, Polícia Judiciária, Autoridade Marítima, Serviços de Informação e Segurança, Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) e Alfândega apreenderam hoje perto de 500 quilos de alimentos, numa operação realizada simultaneamente junto à ponte internacional do Guadiana e no cais fluvial de Vila Real de Santo António.
A operação que decorreu entre as 6h30 e as 10 da manhã detectou «falta de higiene e segurança» no transporte de 380 quilos de pescado, 120 quilos de charcutaria, 35 litros de gasolina e algumas garrafas de gás.
As forças e serviços de segurança do Gabinete Coordenador de Segurança Distrital (GCSD) fiscalizaram 944 veículos, tendo apreendido cinco com matrículas estrangeiras por infracção à lei 22A/97.

Brincar a sério

quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

Informação deficiente no site da autarquia

As actas das reuniões são um tema que causa sempre algum desconforto e agitação nas assembleias municipais. Ou porque faltam as declarações de voto, ou porque lhes não é dada a conveniente visibilidade, ou porque para serem consultadas pelos deputados é sempre um bico de obra.
A nova página da Internet da autarquia, relançada com grande pompa e circunstância pelo presidente da câmara em Junho de 2006 ficou muito aquém das expectativas propagandeadas. Nem actas actualizadas da câmara, nem da assembleia, nem deliberações, nem declarações de voto, nem concursos públicos a decorrer, nem documentos financeiros. A única informação que não falha é a que provém do gabinete de apoio do presidente da autarquia.
Foi necessário o presidente da assembleia municipal referir publicamente que o serviço andava atrasado para que as actas da assembleia fossem disponibilizadas publicamente.
Era bom que os gestores da página aproveitassem o balanço e publicassem entre outros os documentos financeiros dos últimos anos: os orçamentos, as grandes opções do plano e os planos de actividades da autarquia.
É inconcebível que uma câmara que parece dispor de recursos financeiros inesgotáveis não consiga manter actualizado um serviço público como a sua própria página da Internet. Se se trata de falta de capacidade dos responsáveis pelo serviço, troque-se ou substitua-se tal ou tais entidades.
É também incompreensível que num órgão fiscalizador como a assembleia municipal não se erga uma única voz a questionar este assunto e a confrontar as declarações do presidente da câmara com aquilo que na realidade acontece.

VISOR DIGITAL


(Entre Espanha e Portugal - janyols / panoramio.com)