sábado, 31 de março de 2007

Férias em movimento


A Praça Marquês de Pombal esteve vestida de azul na manhã de sexta-feira, dia 30, com mais de uma centena de crianças a participar em actividades desportivas.
Com desportos radicais como a escalada, ou tradicionais como o da corda puxada nas extremidades por dois grupos opositores, concluiu-se o programa “Férias em Movimento”, que a Junta de Freguesia de Vila Real de Santo António organizou durante a primeira semana de férias do período da Páscoa.
A iniciativa dá continuidade a um trabalho de vários anos e que tem vindo a melhorar tanto no capítulo da organização como no da adesão por parte de crianças e jovens.

Igreja converte-se às novas tecnologias

IAPXX - Inquérito à Arquitectura do Século XX em Portugal
Depósito da água, equipamento público, Vila Real de Santo António

quinta-feira, 29 de março de 2007

Reforma das forças de segurança vai pôr na rua toda a PSP

No início de Março, no âmbito da prevista reforma das forças de segurança, o Governo decidiu passar cerca de 5000 elementos dos serviços de apoio da PSP e GNR para operacionais de rua e suspendeu a entrada a novos agentes nos próximos dois anos.
Desta forma, os cerca de setenta agentes da PSP colocados na esquadra de Vila Real de Santo António passarão a actuar na rua, deixando as tarefas administrativas para outros funcionários públicos sem formação policial.
A substituição da PSP pela GNR na freguesia de Monte Gordo, conjugada com a colocação da totalidade do efectivo policial nas ruas da cidade, possibilitará um reforço do policiamento e uma maior identificação de infracções de todo o tipo.
Nesse sentido, é de esperar a resolução dos problemas do estacionamento de viaturas automóveis em cima dos passeios e do “trânsito oficial” nas ruas pedonais do centro histórico.

IAPXX - Inquérito à Arquitectura do Século XX em Portugal
Hotel Vasco da Gama, Monte Gordo

terça-feira, 27 de março de 2007

Chuva + preia-mar = inundação + esgoto

Bastaram algumas gotas de chuva no período da manhã de segunda-feira, acompanhadas por trovões e relâmpagos a condizer, para algumas zonas de Vila Real de Santo António ficarem impraticáveis para peões.
As zonas afectadas estão identificadas desde há muito - mercado de VRSA e avenida Duarte Pacheco. Nesta última, desde as escolas até aos campos do clube de ténis, a água da chuva galgou os passeios misturada com águas de esgoto.
Após a chuva ficou o cheiro nauseabundo. Apesar de intenso no local o odor não é perceptível na praça Marquês de Pombal.

IAPXX - Inquérito à Arquitectura do Século XX em Portugal
Antigo edifício dos Correios, equipamento público, 1927, Vila Real de Santo António

Os melhores do Youtube

Os internautas de todo o mundo escolheram os vencedores e atribuíram os Prémios YouTube para distinguir os sete vídeos mais populares.
Escolhemos “Kiwi”, visto por quase sete milhões de visitantes, que dedicamos a todos, e são muitos, os que se preocupam com o estado actual e o futuro da Mata Nacional das Dunas Litorais.


domingo, 25 de março de 2007

Correr por gosto não cansa

As excelentes condições do concelho para a prática desportiva motivam os turistas para a prática da corrida. Para disfarçar o péssimo estado e deficientes condições de segurança da estrada da Ponta da Areia os residentes recorrem à imaginação e dão um toque colorido ao local.


sábado, 24 de março de 2007

Câmara aprova proposta de criação de empresas municipais

A Câmara Municipal de Vila Real de Santo António continua apostada em criar empresas municipais com o objectivo de agilizar a gestão da coisa pública ou, dito de outro modo, passar para a esfera do sector empresarial local funções que estão cometidas por lei às autarquias.

Encaixam neste âmbito empresas que tenham por objecto a exploração de actividades de interesse geral, a promoção do desenvolvimento local e regional e a gestão de concessões, sendo proibida por lei a criação de empresas para o desenvolvimento de actividades de natureza administrativa ou de intuito exclusivamente mercantil.
Na última sessão do executivo municipal, por via da inevitável mudança de posição do vereador João Rodrigues (CDU? ex-CDU?), foi aprovada a proposta de criação das empresas municipais que há alguns meses atrás havia sido chumbada pela mesma personagem.
Como se vê, a vida autárquica é um terreno fértil em voltas e reviravoltas.
Por mera coincidência, este sábado todos os órgãos de comunicação social fazem eco dos resultados de uma auditoria do Tribunal de Contas a 31 empresas municipais (cerca de 30% das 107 que prestaram contas àquele organismo em 2003 e 2004).
As irregularidades giram todas à volta do mesmo problema: gestores que enchem os bolsos com o dinheiro dos contribuintes no mais curto espaço de tempo.
No caso de Vila Real de Santo António a Assembleia Municipal terá certamente uma última palavra a dizer quando apreciar e decidir sobre a proposta agora aprovada pelo executivo. Entretanto podemos ler as notícias do dia.

IAPXX - Inquérito à Arquitectura do Século XX em Portugal
Posto de abastecimento, equipamento de transportes, Monte Gordo

sexta-feira, 23 de março de 2007

Saber mais sobre a Ota

A construção do aeroporto da Ota permanece envolta em algum secretismo. A informação que chega ao conhecimento da comunicação social tem sido apenas aquela que o governo entende ser favorável aos seus propósitos.
Nos últimos dias apareceram a público novos estudos que se encontravam no segredo dos gabinetes ministeriais. As alternativas aí apresentadas apontam para localizações de menor impacto ambiental que oferecem melhores condições de segurança e menores custos de construção.
A Associação para o Estudo e Defesa do Ambiente do Concelho de Alenquer tem no seu sítio da Internet uma apresentação de diapositivos bastante elucidativa quanto às características do empreendimento. A fotografia que acompanha o texto foi retirada desse documento que é de leitura obrigatória para todos os que querem saber o que fazem os governantes com os dinheiros públicos.

IAPXX - Inquérito à Arquitectura do Século XX em Portugal
Conjunto habitacional, “Bairro da Caixa”, Vila Real de Santo António

quarta-feira, 21 de março de 2007

Monte Gordo dificulta construção do aeroporto da OTA




Monte Gordo, não a vila turística, mas uma pequena elevação situada na superfície de aproximação do futuro aeroporto da OTA, constitui uma ameaça para as aeronaves que ali tentarem aterrar.
Este é um dos muitos aspectos negativos da OTA revelados no documento “Estudos de Localização” executado pela ANA em 1994. Nesse documento, entre quatro opções de localização, a OTA figurava em último lugar, tendo em conta aspectos como as perspectivas da engenharia e das acessibilidades, o aspecto operacional e o esforço financeiro, entre outros.
A opção governamental pela localização do Novo Aeroporto de Lisboa começa a adquirir contornos cada vez mais incompreensíveis atendendo ao coro de protestos de entidades e investigadores de todas as áreas da sociedade portuguesa.
Vale a pena ler online, em qualquer órgão de comunicação social, a série de artigos relacionados com a construção do novo aeroporto. Trata-se de demasiado dinheiro público a ser investido numa obra que antes de ser construída já tem o respectivo epitáfio pronto a ser colocado.

IAPXX - Inquérito à Arquitectura do Século XX em Portugal
Edifício de habitação e comércio, Rua Gonçalo Velho, Monte Gordo



segunda-feira, 19 de março de 2007

Vila Nova de Cacela: moradores descontentes com mercado

O mercado mensal de Vila Nova de Cacela continua a gerar descontentamento junto dos moradores da principal rua onde decorre a feira.
Para além do problema da principal atracção deste mercado - a venda de artigos de mercadoria contrafeita -, que obriga a intervenções frequentes da GNR, a localização do evento cria um problema de segurança pública de difícil resolução e lesa os direitos dos moradores.
O presidente da autarquia prometeu ao Correio da Manhã resolver a questão até ao verão. Veremos...

IAPXX - Inquérito à Arquitectura do Século XX em Portugal
Edifício de habitação e comércio, Rua Oliveira Martins, Vila Real de Santo António

Segurança continua na ordem do dia

A substituição da Polícia de Segurança Pública pela Guarda Nacional Republicana na freguesia de Monte Gordo foi o assunto dominante das “conversas de café”, um pouco por todo o concelho, ao longo da última semana.
A opinião maioritária defende a continuidade da PSP com o argumento de que esta força tem um melhor conhecimento dos problemas daquela localidade, designadamente no que se refere à criminalidade.
Também o carácter civil desta polícia de segurança pesa a seu favor na opinião pública que, ao contrário, vê a GNR como força militarizada com maior dificuldade de relacionamento de proximidade com a população.
Uma das questões que surgiu ao longo da semana, designadamente em intervenções nas rádios locais, foi a preocupação da população com o facto de actualmente o policiamento ser feito apenas a bordo das viaturas. Com efeito, nas ruas de Vila Real de Santo António ou até de Monte Gordo, raramente se vê um agente a pé, a não ser quando entra ou sai de serviço.
Nos últimos anos tem ganho força de lei a nível local o patrulhamento e vigilância em carro, em detrimento do tradicional policiamento a pé, nas praças, jardins e demais zonas centrais. Esta ausência é vista negativamente pela população que julga assim ver a sua segurança diminuída.
E, no entanto, quando as situações são analisadas objectivamente, há novos factos a considerar. Nos últimos anos a criminalidade tem mudado, tornou-se mais violenta, mais perigosa; a posse e o uso de armas de fogo tornaram-se banais; a desobediência e a falta de respeito pela autoridade são frequentes. Um agente isolado pouco pode fazer em situações complexas. Daí a adaptação da PSP às novas características da delinquência e da criminalidade.
Hoje em dia, o patrulhamento a pé em locais onde existe alguma probabilidade de ocorrerem desacatos é feito com recurso a unidades melhor preparadas e com exibição de “artigos de dissuasão”, como acontece no caso de feiras, concentrações, festas e mesmo em dias normais, nos meses de verão, em Monte Gordo.
Este fim-de-semana dois acontecimentos confirmam o que atrás é referido: em Sacavém, um agente da PSP ferido em serviço; em Altura, no concelho de Castro Marim, dois agentes da GNR atropelados, durante a realização de uma operação stop.

IAPXX - Inquérito à Arquitectura do Século XX em Portugal
Casa de habitação, Monte Gordo

sábado, 17 de março de 2007

sexta-feira, 16 de março de 2007

Tecnologia irresistível

IAPXX - Inquérito à Arquitectura do Século XX em Portugal
Conjunto habitacional, Ruas Camilo Castelo Branco, Frederico Ramires
e Oliveira Martins, Vila Real de Santo António

Chamadas em “roaming” vão baixar para 50 cêntimos por minuto

A União Europeia prepara-se para obrigar os operadores móveis a baixar o preço das chamadas em “roaming” para um máximo de 50 cêntimos por minuto até ao próximo mês de Julho.
Este é um tema bastante sensível aos habitantes do concelho de Vila Real de Santo António que, pela facilidade do contacto privilegiado com a região de Huelva, utilizam com frequência o telemóvel no país vizinho e têm, assim, de suportar os preços exorbitantes praticados pelos operadores de telecomunicações.

IAPXX - Inquérito à Arquitectura do Século XX em Portugal
Casa de habitação, Monte Gordo

quinta-feira, 15 de março de 2007

Autoridades espanholas proíbem apanha de bivalves no Guadiana

A existência de fitoplancton tóxico na água levou, no princípio de Março, as autoridades espanholas de Agricultura e Pesca da Província de Huelva a determinarem a interdição da captura e comercialização de bivalves do rio Guadiana.
Desde 24 de Janeiro do corrente ano, a apanha de conquilha está proibida também na Isla Canela devido à elevada presença de bactérias coliformes fecais, uma contaminação causada pela acção humana e, no caso concreto, proveniente das águas continentais.
Na foz do Guadiana existe uma estação de tratamento de águas residuais (ETAR) na margem espanhola, onde são tratados os esgotos da cidade de Ayamonte. Na margem portuguesa os esgotos dos concelhos de Castro Marim e Vila Real de Santo António correm directamente para o rio e, deste, para o mar, onde são arrastados para a costa espanhola por acção natural da orientação das correntes marítimas do oceano Atlântico - de oeste para este.

IAPXX - Inquérito à Arquitectura do Século XX em Portugal
Edificio de habitação e comércio, Rua Teófilo Braga, Vila Real de Santo António

terça-feira, 13 de março de 2007

Já começaram os treinos para melhorar a segurança

IAPXX - Inquérito à Arquitectura do Século XX em Portugal
Casa de habitação, Monte Gordo

segunda-feira, 12 de março de 2007

Monte Gordo: vem aí a GNR


Quando toda a gente esperava a vinda dos GNR para um megaconcerto promovido pelas forças locais, eis que o Governo se antecipa, deixa a autarquia fora da jogada, sem sequer lhe dar cavaco, e envia a GNR para policiar Monte Gordo em substituição da PSP.
A troca encerra em si algo de contraditório pois não há muito tempo os elementos que prestavam serviço em Vila Real de Santo António (Hortas e Aldeia Nova) foram obrigados a abandonar o aquartelamento da Brigada Fiscal e deslocados para outras localidades.
Neste momento o posto mais próximo da GNR fica situado em Castro Marim, numas instalações exíguas e sem capacidade para receberem os reforços necessários ao policiamento de Monte Gordo.
Enquanto se aguarda por novos desenvolvimentos há já quem receie o patrulhamento a cavalo nas ruas e zonas pedonais daquele destino de férias.
(foto Exército Brasileiro)

IAPXX - Inquérito à Arquitectura do Século XX em Portugal
Casa de habitação, Rua Cândido dos Reis, Vila Real de Santo António

domingo, 11 de março de 2007

Imposto Municipal Sobre Imóveis em Abril

Os proprietários de prédios urbanos ou rústicos do concelho de Vila Real de Santo António começaram a receber nos últimos dias um pequeno e discreto “Invólucro/Mensagem” da Direcção-Geral dos Impostos com uma notificação de pagamento do imposto municipal sobre imóveis.
A cobrança deste imposto directo corresponde a cerca de dez porcento do orçamento municipal (cerca de três milhões de euros em 2006) e constitui um dos elos mais fortes da ligação entre os contribuintes e os concelhos onde residem.
Nos últimos tempos os assaltos à bolsa dos portugueses têm seguido uma estratégia bem definida e um ritmo quase diário. A grande maioria da população vive uma ‘época de vacas magras’ e seria um exercício de gosto duvidoso enumerar as variadíssimas formas que têm sido inventadas para sugar os fracos recursos dos contribuintes.
Por isso, no plano local, quando assistimos a um permanente inventar de pretextos para a realização de festas e espectáculos em número cada vez maior e de valor sempre mais elevado, compreendemos perfeitamente a indignação das vozes que questionam o sentido deste tipo de iniciativas.
Num concelho carenciado de infra-estruturas e empregos como o nosso gastar-se num ano entre um e dois milhões de euros em animação não deixa de ser obra. Mais do que obra, é um verdadeiro exercício de criatividade e malabarismo.
No final do mandato sempre poderão orgulhar-se de terem gasto em quatro anos mais de um milhão de contos para animar a malta...
Entretanto, vamos lá poupar este mês para pagar o IMI em Abril.

IAPXX - Inquérito à Arquitectura do Século XX em Portugal
Edifício de habitação, Rua Gil Eanes, Monte Gordo

sábado, 10 de março de 2007

Porque hoje é sábado

O sábado é um dia propício à reflexão, à leitura de revistas e semanários. Aqui em VRSA estamos todos a recuperar da grande noite de quinta-feira. É altura de sabermos o que se faz por esse mundo fora.

Aqui ficam alguns títulos relativos ao acontecimento mais importante da semana – o périplo de Bush pela América Latina.
Portugal Diário
O Povo online
Gazeta online

O dia em que o Brasil foi invadido

Este vídeo colocado no início de Setembro de 2006 no Youtube já foi visto mais de 500 mil vezes.



IAPXX - Inquérito à Arquitectura do Século XX em Portugal
Conjunto habitacional, Rua Catarina Eufémia, Vila Real de Santo António

sexta-feira, 9 de março de 2007

Uma vila industrial com iluminação pública desde 1885

Vila Real de Santo António poderá ter sido a primeira e única localidade algarvia a beneficiar de iluminação pública a gás no longínquo ano de 1885, de acordo com um trabalho desenvolvido por investigadores do Centro de Estudos de História Contemporânea Portuguesa do ISCTE.
Só mais tarde, nas primeiras décadas do século XX, a electricidade e as lâmpadas de filamento incandescente trariam a luz, e com elas a modernidade, às restantes localidades da região.
A informação pode ser consultada na base de dados deste projecto de investigação sobre a história da energia e da electricidade.

IAPXX - Inquérito à Arquitectura do Século XX em Portugal
Edifício de habitação, Monte Gordo

quarta-feira, 7 de março de 2007

Trânsito na cidade pode ser simplificado

O elevado número de acidentes rodoviários que se verifica na cidade de Vila Real de Santo António pode vir a reduzir-se significativamente se a autarquia aderir ao projecto europeu “Cidades sem sinais de trânsito”.
Ejby, na Dinamarca, Ipswich, na Inglaterra, Ostende, na Bélgica e Makkinga, na Holanda, são algumas das várias cidades europeias que ensaiam uma revolução nos seus sistemas de gestão do tráfego através da eliminação total dos sinais de trânsito e semáforos.
O princípio aplicado é o da responsabilidade pessoal que, face à inexistência de regras e prescrições, acaba por gerar atitudes mais amigáveis e uma maior atenção por parte dos condutores relativamente aos peões.
No caso da cidade pombalina, a combinação entre este projecto e o incentivo à utilização da bicicleta por parte dos munícipes deverá contribuir para uma cidade mais saudável e segura.
As vantagens são evidentes pois além de se poupar nas despesas com estudos, colocação e substituição de sinais, o projecto permitiria ainda acabar com os pelouros da sinalética e do trânsito.
O vídeo mostra uma antecipação de como poderia ficar a zona do mercado após a eliminação dos sinais e da própria rotunda.


IAPXX - Inquérito à Arquitectura do Século XX em Portugal
Edifício de habitação, Rua Camilo Castelo Branco, Vila Real de Santo António

terça-feira, 6 de março de 2007

Actividades produtivas já viveram melhores dias

Se há imagens que dispensam palavras esta é uma delas. A indústria das conservas de peixe desapareceu. A actividade económica da pesca está a seguir o mesmo caminho. O incompreensível é que por cada embarcação pesqueira que se abate ou vende para Espanha são registados dez novos barcos... de recreio e lazer.

IAPXX - Inquérito à Arquitectura do Século XX em Portugal

Casa de habitação, Monte Gordo

segunda-feira, 5 de março de 2007

Santa Engrácia em Vila Real de Santo António


Desde há alguns anos que a cidade pombalina está sob a protecção de Santa Engrácia.
Algumas obras públicas marcam passo. Outras pararam de vez. O marasmo e o esquecimento parecem ter caído sobre infra-estruturas fundamentais da cidade como são os casos da ETAR e da renovação do saneamento básico da zona sul de VRSA.
Daí a utilização da expressão “obras de Santa Engrácia”. As originais arrastaram-se durante 284 anos, os vila-realenses esperam que estas tardem menos.
Um caso gritante é o da lenta recuperação do antigo edifício Parodi, uma imponente construção situada na avenida da República, onde actualmente funciona o Conservatório Regional de Vila Real de Santo António.
Diariamente dezenas de jovens e adultos frequentam os cursos ministrados naquela instituição que tem vindo a desenvolver um meritório trabalho na área da formação e divulgação musical junto da comunidade.
Todos os que observam a fachada do edifício vêem as marcas do tempo e os efeitos da separação forçada dos edifícios que o envolviam, apercebem-se de que tiveram lugar algumas obras de consolidação mas constatam, com pena, que uma peça importante do património cultural da cidade necessita dos trabalhos finais de uma recuperação iniciada há alguns anos atrás.
A conclusão das obras certamente custará menos ao erário público do que o ‘cachet’ pago a um único artista por uma actuação em Monte Gordo ou na Praça Marquês de Pombal.
O edifício Parodi carece urgentemente de uma intervenção de responsabilidade da autarquia, uma “requalificação” que lhe permita recuperar a dignidade que merece.

IAPXX - Inquérito à Arquitectura do Século XX em Portugal
Edifício de habitação, Rua Dr. Manuel de Arriaga, Vila Real de Santo António

O pinhal de VRSA (a mata como é conhecido)
está deslumbrante neste início de Março.


Depois de um sábado prometedor o domingo surgiu cinzentão e fresco.

domingo, 4 de março de 2007

O vandalismo habitual dos sábados à noite

Em Vila Real de Santo António as manhãs de domingo servem para contabilizar os estragos causados por actos de vandalismo que ocorrem com alguma frequência a altas horas da madrugada.
Edifícios, viaturas, mobiliário urbano e contentores de lixo são os alvos preferidos de indivíduos sem escrúpulos que actuam numa total impunidade, deixando por onde passam um rasto de destruição e prejuízos elevados.

IAPXX - Inquérito à Arquitectura do Século XX em Portugal
Edifício de habitação, Rua D. Francisco de Almeida, Monte Gordo

quinta-feira, 1 de março de 2007

O progresso virá pelo Guadiana


Num rigoroso exclusivo apresentamos uma antevisão do aspecto que terá o cais comercial de Vila Real de Santo António após as obras de requalificação que aquela importante infra-estrutura irá sofrer nos próximos anos.
O projecto tem vindo a ser desenvolvido em grande segredo em Coimbra, num gabinete técnico especializado no tema marítimo-portuário, e é apenas do conhecimento de um pequeno grupo de pessoas que, para evitar fugas de informação, reúne em locais discretos e com um apertado controlo de presenças.
De acordo com o estudo económico, o financiamento será assegurado por empresas de construção civil do concelho como contrapartida pelos blocos de apartamentos que irão erguer na zona ribeirinha da Ponta da Areia.

IAPXX - Inquérito à Arquitectura do Século XX em Portugal
Centro de Saúde, Vila Real de Santo António