domingo, 30 de setembro de 2007

VRSA na imprensa

Urbanismo em ruínas
«A gestão urbanística de um concelho que aloja três áreas naturais protegidas e um centro histórico deixou de ser feita por técnicos especializados e perdeu a hipótese de ser controlada pela população. Passou tudo para as mãos de uma clientela de ocasião, feita à medida do centralismo autoritário do presidente da Câmara, que preside às duas empresas. A desnecessária intervenção no edifício dos Paços do Concelho é apenas um espelho da democracia local em ruínas.» João Romão (membro da Mesa Nacional e da CC Distrital do Bloco de Esquerda)

(Artigo completo no Barlavento, edição impressa)

PS visita pré-escolar esta segunda-feira
«A Comissão Política Concelhia do Partido Socialista de Vila Real de Santo António vai fazer uma visita de trabalho ao Agrupamento Vertical D. José I de Vila Real de Santo António, amanhã, dia 1 de Outubro, às 11 horas (...) segue-se, às 11h45, uma visita à Escola António Aleixo, e às 12h30, um almoço no restaurante “Os Arcos”, onde será feita a apresentação de conclusões.»
(Notícia completa no Barlavento)

A farsa das poupanças em Saúde
«No meu artigo da semana passada referi a iniciativa louvável, porque necessária e humaníssima, do presidente da Câmara de Vila Real de Santo António, conseguindo que doentes com patologia ocular do seu concelho fossem tratados em Cuba, uma vez que o nosso Serviço Nacional de Saúde (SNS) os mantinha em lista de espera interminável e sem esperança de resolução em tempo aceitável.» Paulo Mendo (ministro da Saúde de Cavaco Silva)
(Artigo completo n’ O Primeiro de Janeiro)

VRSA sobe no índice “maturidade nos serviços de informação”
«No tópico 'informação sobre eleitos', as autarquias melhor posicionadas são Vila Nova da Barquinha, Caldas da Rainha, Paços de Ferreira, Aveiro, Ansião, Vila Real de Santo António, Almada, Penafiel, Pombal e Porto.»
(Notícia completa no I-GOV local)

Misericórdias prontas para ajudar a fazer face a listas de espera
«O presidente da União das Misericórdias Portuguesas disponibilizou-se para celebrar um protocolo com o Ministério da Saúde para resolver os problemas das listas de espera em oftalmologia e evitar a intenção ministerial de contratar oftalmologistas estrangeiros.»
(Notícia completa n’ O Primeiro de Janeiro)

sexta-feira, 28 de setembro de 2007

Polícia cala estudante com Taser... nos Estados Unidos


Na Universidade da Florida o estudante Andrew Meyer foi "Taserado" e preso depois de causar alguma perturbação num encontro do senador John Kerry com estudantes (17/09/2007). (+)

quinta-feira, 27 de setembro de 2007

A importância da imagem

O leitor que nos remeteu um documento fotográfico publicado no passado dia 6 de Setembro enviou-nos agora um mail que temos todo o gosto em transcrever:
«(...) creio que graças a este blogue e à noticia sobre o "Parque Tecnológico" o problema está a ser satisfatoriamente resolvido.
Dois dias após a publicação das fotografias vi no local a GNR a falar com os "ocupantes " e nestes últimos dias o local (Parque Tecnológico - 1) foi limpo, desocupado, terraplenado e construída uma estrada asfaltada e parque de estacionamento para os moradores, tendo agora o local um ar decente e que em nada envergonha a autarquia e todos nós, munícipes.
Quanto ao Parque Tecnológico - 2 ( junto à CP), o local foi limpo de ferro-velho e embora com as barracas, apresenta um aspecto mais decente. Isto mostra que quem tem obrigação e pode, vê este blogue e leva-o a sério pois estou convencido que se as imagens não tivessem sido publicadas ainda estaria tudo por resolver.
Pena é que não se encontre uma forma de elevar o nível dos comentários pois estou convencido que muito e de muito positivo poderia ser feito em prol da nossa terra se os participantes em vez de comentários ofensivos e descabidos, criticassem de forma firme mas construtiva.»

Fotos Sobre Fotos

(photobucket.com)

quarta-feira, 26 de setembro de 2007

Movimento de pedras reforça posição central


Rei laranja e Torre vermelha fazem roque
Dois meses após a nomeação dos conselhos de administração das empresas municipais de Vila Real de Santo António caiu a primeira escolha de Luís Gomes na VRSA, SRU - Sociedade de Reabilitação Urbana: o vogal Luís Cardoso Macedo renunciou ao lugar a 4 de Agosto.
Em sua substituição avançou Carlos Luís Figueira, chefe de gabinete do presidente da câmara municipal. Quase desconhecido na cidade pombalina CLF tornou-se o braço direito de Luís Gomes em Novembro de 2005, imediatamente após a conquista da câmara de VRSA pelo PSD.
Nessa altura, em declarações à Agência Lusa, o ex-dirigente comunista afirmou "não estar à venda politicamente" e que a nomeação para chefe de gabinete da câmara de VRSA não o "transformou" num social-democrata. Segundo o ex-militante comunista, foi o projecto de mudança preconizado por Luís Gomes que o levou a aceitar o desafio.
Entre 1964 e 1967, CLF desenvolveu a sua actividade política na Bélgica, tendo, a partir de 1968 e até ao 25 de Abril, passado a exercer a sua actividade em Portugal, como quadro clandestino. Foi membro da Comissão Política do Comité Central do PCP e responsável pela Organização Regional do Algarve, coordenando os Grupos de Trabalho junto do Comité Central para as questões do Turismo e das Pescas.
Em 2002, no jornal regional Barlavento, CLF assumiu publicamente divergências políticas de fundo com o PCP, numa exposição mediática que acabaria na sua expulsão juntamente com outros quadros. «São por isso pertinentes e ajuizadas as vozes dos que reclamam que se abra, sem exclusões, um amplo debate para que através dele se possam, com profundidade, analisar (...) a natureza da política de alianças, o posicionamento do PCP face ao poder, o relacionamento e a proposta para os sectores mais jovens e dinâmicos da sociedade (...)», escrevia então, preconizando novos percursos políticos.
Foi esta abertura às alianças 'contra-natura' e aos estímulos materiais da sociedade capitalista, primeiro através da Globalgarve, empresa responsável pelo projecto Algarve Digital, e agora por via da gestão autárquica e administração de uma empresa municipal, que trouxe CLF, um ex-adversário da economia de mercado para o seio do Jardim das Delícias que é o tabuleiro dos capitais públicos onde o risco pessoal é nulo e os recursos disponíveis parecem infinitos.
Com esta troca de posições os núcleos das empresas municipais ficaram reforçados, parecendo autênticos “bunkers” onde só cabem as pedras de total confiança do presidente da câmara.
Bispo rosa avança duas casas
Por seu turno, o Partido Socialista aproveitou o arranque do ano escolar para movimentar as suas pedras no tabuleiro dos lugares dependentes dos poderes públicos regionais controlados pelo partido do Governo.
Álvaro Araújo, presidente da secção local do PS, transitou directamente da escola onde trabalhava para um lugar na Iniciativa Novas Oportunidades do Ministério da Educação, onde nem chegou a aquecer a cadeira, pois esta serviu-lhe apenas de trampolim para ser nomeado director do Centro de Emprego de Vila Real de Santo António, a nova oportunidade que o jovem político perseguia desde que José Lança abandonara o cargo.
Membro importante da comunidade católica vila-realense, Álvaro Araújo é professor de Espanhol e nos últimos anos foi membro da direcção da escola D. José I, de VRSA, onde se destacou na organização do encontro anual de futebol de onze entre aquela escola e a escola secundária da mesma cidade. Sportinguista convicto, o seu papel de organizador e dirigente ficou reforçado desde que no tempo do presidente Murta conseguiu disponibilizar um autocarro da autarquia que levou a Lisboa professores e funcionários da escola D. José I para assistirem a um importante encontro de futebol entre Sporting e Benfica.
Desde sexta-feira passada é o novo responsável do centro de emprego e dos cursos de formação profissional do concelho. Esta nomeação parece ser assim a resposta possível da máquina distrital do PS às movimentações de lugares nas empresas municipais por parte do PSD.

Fotos Sobre Fotos

(legko.be)

segunda-feira, 24 de setembro de 2007

Nacional é Bom... e mais Barato

No artigo “Cataratas no centro do furacão” que aqui publicámos a 18 de Setembro, a propósito do tema das viagens de saúde a Cuba, referimos uma notícia do semanário Expresso sobre os preços oferecidos por uma instituição privada de saúde – a União das Misericórdias – que eram substancialmente mais baixos que os custos por doente dos vila-realenses levados às Caraíbas.
O Correio da Manhã publicou a 23 deste mês declarações de Manuel Lemos, presidente daquela instituição, a confirmar, preto no branco, a tese que o Vilaquistão apresentou.
Apesar das limitações de tempo e de meios, procuramos sempre que os nossos artigos tenham informação rigorosa e variada de modo a permitir aos nossos leitores retirarem as suas próprias conclusões. A excepção são os artigos que transportam a etiqueta ‘humor’, os quais devem ser lidos com uma lupa especial.
Por um lado, parece-nos que a situação das viagens de saúde a Cuba ficou clarificada:
1 - As listas de espera existem no Serviço Nacional de Saúde. 2 - O serviço de Oftalmologia do Hospital de Faro está despovoado de médicos. 3 - VRSA tem 150 pessoas carenciadas (qual será o critério?) inscritas na autarquia. 4 - Existem hospitais particulares em Lisboa que prestam os mesmos serviços que em Cuba por um preço inferior por doente. 5 - A autarquia de VRSA prefere as viagens a Cuba. 6 - O dinheiro gasto não sai do bolso de LG, sai do bolso de todos os munícipes.
Por outro lado, a “operação cataratas cubanas” atinge três objectivos:
1 - A maioria dos doentes voltam curados e satisfeitos. 2 - Os doentes são eleitores que ficarão eternamente agradecidos ao presidente da câmara como o homem que lhes devolveu a visão. 3 - O “protocolo” com Cuba proporciona a Luís Gomes uma projecção mediática que não conseguiria com operações em Lisboa (algo que Alcoutim e Castro Marim fazem há muito tempo).
Finalmente, se observarmos o tema numa perspectiva pragmática, todo o dinheiro que for gasto directamente com a população mais carenciada, mesmo que o seja através da “operação cataratas cubanas”, é dinheiro que não será aplicado em festas e foguetes, em toneladas de material gráfico de duvidosa qualidade e necessidade e na contratação de mais reis, valetes e damas do baralho artístico e político nacional.
Entretanto aguardemos as próximas valências ou especialidades médicas que os protocolos com Cuba proporcionarão aos eleitores vila-realenses.

Inquérito: maioria crê que “sombrinhal” vai continuar

Dois terços dos leitores que responderam à questão apresentada no inquérito da semana passada não acreditam na possibilidade da autarquia acabar com a plantação de tubos e sombrinhas que tem vindo a crescer de forma quase anárquica junto à Alfândega e ao antigo Apeadeiro da CP.
Um terço dos leitores mostram confiança na autarquia e crêem que a Feira da Praia, que decorrerá em Outubro, proporcionará a oportunidade que a câmara municipal necessita para a remoção definitiva do “sombrinhal”, designação utilizada por um comentador e aqui adoptada para o inquérito.
Com a recuperação do edifício do antigo Posto Aduaneiro pelo Instituto Portuário e após a sua inauguração em cerimónia que contou com declarações dos responsáveis governamentais e municipais, custa a entender como é possível apresentar tal espectáculo terceiro-mundista (sem desprimor para os países tecnologicamente menos evoluídos) a todos os visitantes que chegam à nossa cidade de automóvel, autocarro ou barco.
Sem esquecer que o “sombrinhal” comporta um problema social, basta pensar nas famílias que ali estão instaladas, seria talvez de bom tom aproveitar exemplos como o de Ayamonte em que um mercado semelhante funciona apenas aos sábados de manhã e é desmontado de seguida. Com outros atractivos, eventualmente com mais fregueses, até existe a possibilidade de as vendas aumentarem e o problema ficar resolvido a contento de todos.

Fotos Sobre Fotos

(photobucket.com)

domingo, 23 de setembro de 2007

VRSA na imprensa

Misericórdias garantem oftalmologia
«Idêntica posição é assumida para com os autarcas que assinaram protocolos com Cuba para a realização de cirurgias, nomeadamente a cataratas. “É seguro que o nosso trabalho é mais barato”, referiu Manuel Lemos, após saber do envio de 150 munícipes de Vila Real de Santo António para a ilha das Caraíbas.»

(Notícia completa no Correio da Manhã)

Assim vai a Saúde Socialista
«No noticiário televisivo de um canal privado (na RTP nada vi!), em horário nobre, assisti, com vergonha crescente, à chegada de dezenas de portugueses, que chegavam de Cuba onde tinham sido tratados de lesões oculares, (cataratas e não só), porque em Portugal, há anos que esperavam em vão que o Serviço Nacional de Saúde ( SNS) deles se ocupasse!»
(Notícia completa n’ O Primeiro de Janeiro)

Zonas rurais do concelho de Vila Real de Santo António vão ter saneamento básico
«Estes núcleos populacionais não dispõem, actualmente, de infra-estruturas integradas de abastecimento de água ou de drenagem e tratamento de águas residuais domésticas, sendo o abastecimento de água de cada uma das habitações efectuado a partir de captação própria ou de pequenos sistemas isolados, sem qualquer tipo de controlo sob os pontos de vista de quantidade e qualidade.»
(Notícia completa no Barlavento online)

Parque Natural do Baixo Guadiana
«A principal preocupação de Luís Gomes é que a transformação do Baixo Guadiana implique a continuação do subdesenvolvimento entre as populações ribeirinhas.
“Devemos preservar a Natureza, e nesse aspecto o vale do Guadiana é privilegiado, mas temos também que dar às pessoas condições para que as suas terras se desenvolvam”, enuncia.
Reconhece que a criação de um parque natural “faz sentido”, mas condiciona a sua aprovação às condições concretas»
(Notícia completa no Observatório do Algarve)

SIBS atinge número recorde de transacções internacionais na Rede Multibanco
«Em termos de operações nacionais, Vila Real de Santo António foi o concelho com o número médio de operações por Caixas Automáticas Multibanco mais elevado, na ordem das 12.800...»
(Notícia completa no Diário Económico.com)

sábado, 22 de setembro de 2007

Semana da Mobilidade



Terminou hoje a série de eventos dedicados à comemoração da Semana Europeia da Mobilidade no concelho de Vila Real de Santo António. A nota dominante foi a disponibilização gratuita de bicicletas na Praça Marquês de Pombal a todos os interessados, numa iniciativa da autarquia.
Hoje, à semelhança de 1300 cidades por essa Europa fora comemorou-se o Dia Europeu sem Carros que se traduziu no encerramento ao trânsito automóvel da avenida da República entre as 9 e as 17 horas.
As condições favoráveis dos principais núcleos urbanos do concelho de VRSA apelam à utilização da bicicleta embora ao longo dos anos a população adulta tenha vindo a abandonar este meio de transporte.
Infelizmente o maior entrave à mobilidade de peões na cidade pombalina e em Monte Gordo é precisamente o estacionamento automóvel sobre os passeios, situação que tem vindo a agravar-se nos últimos tempos sem que sejam tomadas as medidas adequadas para a evitar.

sexta-feira, 21 de setembro de 2007

Prever e evitar temporais


Imagens filmadas em 11 de Junho de 2007 ao largo da ilha de Elba, no Mediterrâneo.

Fotos Sobre Fotos

(imageshack.us)

quinta-feira, 20 de setembro de 2007

VISOR DIGITAL


A imagem de um barco espanhol a arrastar a menos de 100 metros da praia de Monte Gordo foi feita hoje. Será permitido ?
Quando terá fim esta permissividade ou fechar de olhos ? Será por falta de meios da nossa Marinha ou só actuarão quando um banhista for no arrasto ?
(texto e foto de Lúcio Alves)

terça-feira, 18 de setembro de 2007

Cataratas no centro do furacão

O envio a Cuba de alguns munícipes para serem operados a problemas da visão a custas da autarquia é sem dúvida o tema do momento no concelho de Vila Real de Santo António.
Politicamente trata-se de assunto de difícil abordagem pois o PS tem dificuldade em citá-lo sem ser obrigado a reconhecer as absurdas listas de espera de vários anos para operações que a evolução tecnológica tem simplificado ao ponto de os doentes, em muitos casos, não necessitarem de internamento.
O PSD, com responsabilidades divididas na governação do país, prefere olhar para o lado e deixar aos seus autarcas uma margem de iniciativa que lhes permite tentar resolver um problema que é integralmente da responsabilidade do Estado.
Sobre estes problemas o PCP tem questionado o governo através de requerimentos dos seus deputados na Assembleia da República pelo que será o partido que se encontra mais à vontade nesta matéria mas... trata-se de Cuba e dificilmente se pronunciará.
No plano social, todos sabemos que recuperar a visão (no caso das cataratas) é para um idoso algo semelhante a voltar a ter o domínio sobre sua própria mobilidade o que significa uma maior qualidade de vida.
Na falta de elementos informativos da autarquia sobre o custo final por operação/doente que o executivo de Luís Gomes vai pagar, resta-nos referir que, segundo o semanário Expresso noticiou em Abril deste ano, a União das Misericórdias propôs ao Ministério da Saúde o preço de 146 contos (moeda antiga) por operação às cataratas.
Aqui ao lado, no concelho de Castro Marim, a autarquia já realiza este tipo de apoio às populações mais carenciadas desde 2002. Também Alcoutim tem vindo a desenvolver este tipo de iniciativas como forma de restituir alguma esperança às populações envelhecidas do seu concelho, precisamente em colaboração com os Hospitais da União das Misericórdias.
A grande novidade no caso de VRSA é precisamente a viagem de 10 dias a Cuba para uma operação que, no caso das cataratas, em Portugal, liberta no mesmo dia o doente. Mesmo aqui no Algarve esta operação pode ser feita em 20 minutos, noticiava-se em 2003.
Como toda a gente já percebeu, a operação em curso está a ser amplamente trabalhada a nível da comunicação social para que Luís Gomes colha benefícios políticos da mesma a curto e médio prazo, especialmente num momento em que a imagem do concelho nos media é associada com frequência a inundações e a prejuízos causados pela água.
A terminar diremos que sendo a Saúde uma área da total responsabilidade do Estado, espera-se ao menos que os beneficiários destas viagens de saúde a Cuba sejam pessoas carenciadas e sem recursos económicos que lhes permitam recorrer a uma cirurgia pelos seus próprios meios. De contrário será extremamente difícil justificar apoios que de forma alguma são da responsabilidade do município. Não podemos esquecer que os recursos económicos da autarquia provêm dos impostos e taxas pagas no concelho mas também de uma importante contribuição do orçamento do Estado.

Fotos Sobre Fotos


(photopbucket.com)

segunda-feira, 17 de setembro de 2007

Inquérito: Qualidade e bom gosto

Longe de nós qualquer intuito de publicitar o império El Corte Inglés mas, convenhamos, dentro das hipóteses apresentadas como resposta à questão da substituição do edifício da câmara municipal por um empreendimento gerador de postos de emprego, os leitores demonstraram bom gosto.
O centro histórico da cidade ganharia qualidade, o centro comercial atrairia clientela da classe média e média alta, algo que um supermercado Modelo (ainda que com loja Worten) não faria. Outro sinal de bom gosto foi a escolha ex-aequo em primeiro lugar de um hotel de luxo, facto que não seria inédito porquanto numerosas cidades por esse mundo fora estão a apostar na instalação de hotéis de qualidade em praças históricas.
Qualquer dos dois empreendimentos contribuiria para resolver o problema do estacionamento na zona histórica através da construção de um amplo parque de estacionamento subterrâneo de vários pisos e de utilização pública .
Apesar de parecer uma brincadeira, a pergunta que colocámos não é tão inocente quanto possa parecer: o edifício já pertence a uma das empresas municipais; com a cedência de competências da autarquia para as duas empresas municipais os serviços camarários ficaram mais leves e podem funcionar perfeitamente nas actuais instalações (antiga CGD); qualquer problema de maior pressão na utilização dos sanitários pode sempre ser ultrapassado pelo recurso ao balneário público ou a qualquer café da Praça; finalmente, olhando para trás, não há muitos anos, partilhavam o edifício a que pomposamente passaram a chamar “Casa da Câmara”, o Tribunal, o Museu Manuel Cabanas, os Registos Civil e Predial, as Finanças e respectiva Tesouraria, a Biblioteca Gulbenkyan, a PSP, a GNR, e a própria Cadeia Municipal. Afinal os serviços da Câmara ocupavam uma parcela ínfima do edifício.
Tratava-se agora apenas de rentabilizar o investimento e criar algumas dezenas de empregos. Se tudo pode ser privatizado, por que não a “Casa da Câmara”?

domingo, 16 de setembro de 2007

VRSA na imprensa

Vila Real de Santo António envia doentes para tratamento em Cuba
«O autarca acompanhou este primeiro grupo de dez doentes que foi tratado a perturbações oftalmológicas em Cuba e desdobra-se em elogios ao panorama hospitalar na ilha comunista. "Estiveram num hotel transformado em hospital, com todas as condições. Tomaram os nossos hospitais terem esta qualidade", sublinhou Luís Gomes, enaltecendo os "grandes especialistas" da medicina cubana. Nove dos dez algarvios estão em recuperação: apenas num caso a perda de visão era irreversível.O município continuará a enviar doentes a Cuba. No próximo dia 22 partem mais 14 pessoas também para tratamento oftalmológico. Que num futuro próximo pode estender- -se às áreas da recuperação neurofisiológica e dermatologia.»

(Notícia completa no DN online)

Projecto comunitário põe Vila Real de Santo António a dançar Vivaldi
«Para os diferentes momentos do espectáculo, foram seleccionadas 20 mães, igual número de filhos (com idades entre os 4 e os 7 anos), 30 alunos de dança, várias crianças… e a lista continua.Seja por vergonha ou timidez, os homens de Vila Real de Santo António faltaram à chamada, o que levou a algumas adaptações na coreografia inicial.»
(Notícia completa no Barlavento online )

Empresas do interior com benefícios fiscais
«Ao nível regional são abrangidas com redução da taxa de IRC as empresas com sede em Aljezur, Vila do Bispo, Monchique, São Brás de Alportel, Vila Real de Santo António e Alcoutim; e ainda algumas freguesias de Loulé, Tavira, Silves e Lagos. »
(Notícia completa no Região Sul)

Algarvios pagam mais impostos municipais
«Os dados estatísticos nacionais referentes aos impostos municipais indicam ainda que Lagos é o concelho do país que mais receita arrecada de SISA/IMT e CA/IMI por habitante (775,5 euros), seguido de Albufeira (645,5), Loulé (641,5), Portimão (360,4), Tavira (289,5), Vila Real de Santo António (277,5) e Faro (216,7).»
(Notícia completa no Jornal do Algarve)

sábado, 15 de setembro de 2007

Linhas de navegação

Pela oportunidade transcrevemos com a devida vénia um artigo publicado hoje na rubrica ‘O Jumento do dia’ no blogue O Jumento:

«De Vila Real de Santo António para Cuba

Ao ver o telejornal da TVI dou com uma operação de propaganda do presidente da CM de Vila Real de Santo António a receber vários munícipes daquela localidade a quem a autarquia pagou a ida a Cuba para uma operação às cataratas. O gesto é bonito, quem o pode criticar.

É evidente que estamos perante uma manobra populista, ao mesmo tempo que trata das cataratas aos idosos vai também tratando dos seus votos. Para conquistar votos o que é preciso são mega fogos de artifício ou operações aos olhos para os ver. O autarca vai pagar todas as cirurgias aos munícipes de VRSA que estão em lista de espera? Paga essas operações se forem em Cuba ou aceita outros destinos? Procurou saber se em Portugal havia oftalmologistas capazes de fazer a mesma operação?

E o que fazer aos doentes de outros concelhos que têm o mesmo problema, são cidadãos do mesmo país, pagaram os mesmos impostos, mas vivem em concelhos onde os autarcas não recorrem a estas manobras para conquistar votos? Ao mesmo tempo que os autarcas exigem contrapartidas sempre que se fala em transferências de competências do poder central, há os populistas que não se importam de gastar dinheiro substituindo-se ao ministério da Saúde se isso lhes trouxer votos.

O autarca de VRSA já apresentou alguma proposta para que as autarquias se substituam ao ministério da Saúde na gestão das listas de espera, assumindo o pagamento das situações que ultrapassem os prazos considerados excessivos? Pediu ao ministério da Saúde informação sobre os munícipes que estavam em lista de espera?»

O Jumento, 15 de Setembro de 2007

sexta-feira, 14 de setembro de 2007

Quem vem dançar a Tarantella?

Fotos Sobre Fotos

(legko.be)

VRSA precisa de Iemanjá


Quem é Iemanjá?
O seu nome Yèyé Omo Ejá significa mãe cujos filhos são peixes. É um orixá feminino das águas dos mares, oceanos ou do encontro dos rios e mares. Na mitologia africana Yoruba Iemanjá é a mãe da maioria dos orixás, e é representada como uma matrona de seios volumosos, símbolo de maternidade fecunda e nutritiva.
Iemanjá é a rainha das águas e nas cidades portuárias o seu culto é intenso já que favorece a pesca. No Brasil, Iemanjá é um orixá dos mais populares e reverenciados do Candomblé, Batuque, Xambá, Xangô do Nordeste, omoloko e Umbanda e mesmo por fiéis de outras religiões. Em Cuba, onde ganha o nome de Yemayá possui as cores azul e branca, é uma rainha do mar negra, assume o nome cristão de La Virgen de la Regla e faz parte da Santeria como santa padroeira dos portos de Havana.
Precisa VRSA de Iemanjá?
É incontestável. Ninguém no seu perfeito juízo se atreverá a discutir a absoluta necessidade deste orixá para proteger a população vila-realense. A ineficácia da gestão autárquica no plano do saneamento básico do concelho, cujo resultado são as sucessivas inundações em VRSA e Monte Gordo, exigem que esta terra tenha novos deuses protectores.
Não podemos esquecer que as preces de Marco Paulo durante a procissão da Senhora das Dores, no último domingo, não foram bem recebidas no céu. O espectáculo mediático resultou no local mas falhou no dia seguinte no plano nacional quando as televisões voltaram a referir pelas piores razões o nome do concelho. O artista poderá ser um bom conhecedor de temas secos. De molhados não percebe nada. VRSA necessita de uma divindade protectora com provas dadas e com experiência aquática. Só pode ser Iemanjá.
Festas em honra de Iemanjá
Uma das maiores comemorações em honra à Iemanjá ocorre no último dia do ano em várias praias do litoral brasileiro. Antes e após a queima de fogos da passagem do ano, os devotos fazem oferendas à Rainha do Mar, um dos títulos pelos quais Iemanjá é saudada. Eles a presenteiam com flores, perfumes, velas e mimos de todos os tipos, tanto na areia da praia, quanto nas ondas do mar.
Por coincidência, o mês dedicado a Yemanjá é Maio, tal como o mês da festa da fundação de VRSA. É pois urgente criar uma comissão abrangente que estude e elabore com a maior rapidez um projecto de apresentação e divulgação da divindade e um calendário de festejos que favoreça o desenvolvimento do novo culto.
A Comissão Iemanjá
Para esta ideia avançar rapidamente propomos a seguinte composição de uma comissão organizadora dos festejos e comemorações em honra de Iemanjá:
- Luís Gomes e Álvaro Araújo, dois católicos devotos, que apesar de militarem em equipas diferentes e estarem envolvidos em constante guerrilha, podem fazer um esforço pessoal e assegurar a ponte entre as várias religiões locais, os crentes não praticantes, os agnósticos e os ateus. Seriam uma espécie de fomentadores de um ecumenismo vila-realense de origem afro-americana;
- José Carlos Barros pelo eclectismo cultural que é capaz de o levar à noite a aconselhar no seu blogue de Cacela, a leitura nas escolas da “Carta de Guia de Casados, de D. Francisco Manuel de Melo e, no dia seguinte, a trazer aos palcos municipais figuras da nossa “cultura” como José Castelo-Branco ou Alex;
- O polifacético ex-comunista João Rodrigues, uma espécie de Janus, divindade romana, que por ter acolhido Saturno, foi mais tarde recompensado, sendo dotado de tal prudência, que o futuro e o passado passaram a ser a sua grande preocupação. Na arte é sempre representado com dois semblantes: um a olhar para a frente, e o outro para trás. É visto como um deus pacificador e em Roma, o seu templo só fechava as portas quando a nação estava em paz;
- António Murta pelo profundo conhecimento do Brasil e dos costumes locais da Bahia onde há muitos terreiros de Xambá. A sua inclusão na comissão constituiria uma mais-valia apreciável e serviria para cativar os favores de Iemanjá. Atrevemo-nos a sugerir a indicação de AM para presidente da comissão por uma questão de vestuário. A cor de Iemanjá é o branco, a cor preta não é aceite e LG anda quase sempre vestido de urubu. Já AM veste frequentemente roupa branca.
(Fonte Wikipedia e Mithos)

quarta-feira, 12 de setembro de 2007

VRSA está a molhar para pior

O problema das inundações em Vila Real de Santo António e Monte Gordo não tem solução à vista. Em traços gerais pode dizer-se que de chuvada em chuvada a situação tem tendência a piorar.
A noite de 11 de Setembro é mais uma para juntar à colecção das inundações verificadas no concelho nos últimos tempos, sem que se veja qualquer actuação prévia por parte dos serviços da autarquia no sentido da limpeza e desobstrução de sarjetas.
Enquanto a autarquia proclama, numa tenda montada na praça Marquês de Pombal os benefícios da sua governação, a população de numerosas ruas alagadas começa a questionar seriamente se Luís Gomes e restante equipa do PSD (mais João Rodrigues) vivem realmente no concelho.
Tal como havíamos previsto, nas ruas “requalificadas” com novo pavimento (João de Deus, etc.) a água cobriu passeios e impossibilitou a circulação de pessoas, facto que raramente acontecia no passado. Para além disso, todas estas ruas impermeabilizadas passaram a despejar a água da chuva mais rapidamente no mar da avenida Duarte Pacheco, um oceano de água que pouco faltou para entrar no SAP de VRSA.
Em muitas ruas de Vila Real de Santo António o cheiro nauseabundo dos esgotos misturado com a água da chuva contribuiu para agravar o sofrimento de uma população que começa a estar farta da incapacidade e incompetência de gestores que falam de grandes projectos mas não são capazes sequer de mandar limpar as sarjetas da nossa terra.
Note-se ainda que os pedidos de auxílio efectuados em VRSA esbarraram quase todos na resposta seca de que “os meios estavam em Monte Gordo porque ali a calamidade era maior”.
Não pretendemos ser profetas mas todos sabemos que é de esperar mais chuva nos próximos tempos.

Fotos Sobre Fotos

À procura do melhor ângulo para apanhar os golos de Portugal (foto.radikal.ru)

terça-feira, 11 de setembro de 2007

VISOR DIGITAL

(Messier 2 - NGC 7089)
Segundo alguns astrónomos o espectáculo de pirotecnia lançado à meia-noite de domingo em Monte Gordo e que deslumbrou milhares de pessoas não passou de isso mesmo, um acontecimento luminoso de curtíssima duração.
À mesma hora, com um bom telescópio, no céu de Monte Gordo, entre outros podia ser visto o objecto Messier 2, um aglomerado estelar aberto. O M2 situa-se na constelação do Aquário. Foi descoberto por Jean-Dominique Maraldi em 1746. Tem um diâmetro de 175 anos-luz e engloba mais de 150.000 estrelas. (Fonte Wikipedia e Google Earth)

Inquérito: maioria não acredita numa coligação PS-PCP

A maioria dos leitores deste blogue não crê na possibilidade de uma candidatura conjunta PS-PCP às eleições autárquicas de 2009 em VRSA. Sessenta e um por cento dos participantes no inquérito semanal responderam não à questão colocada que alvitrava tal cenário.
A questão poderá ter parecido bizarra dadas as aparentes contradições entre os dois partidos mas, em política não há impossíveis e situações de aparente hostilidade podem ser ultrapassadas em momentos cruciais sempre que os actores consideram que os fins justificam os meios.
Os acontecimentos que envolveram primeiro a CDU, com a mudança de campo de João Rodrigues, neste momento “o homem mais importante do concelho”, pelo papel que assume de suporte da governação autárquica PSD, depois as próprias contradições internas do PS que levaram ao abandono do líder da secção local e à posterior dissidência de dois deputados municipais na questão das empresas municipais, mostraram a situação de extrema fragilidade em que se encontram as duas principais forças da oposição.
Sinal dessa fragilidade é o silêncio a que se remeteu a principal força da oposição, o Partido Socialista, desde que corre em tribunal uma acção movida contra um seu comunicado lançado em Outubro de 2006, um ano depois do início da presidência de Luís Gomes. Nem sequer as iniciativas dos vereadores nas sessões de câmara chegam à opinião pública.
É curioso que as opiniões dos comentadores têm apontado exactamente nesse sentido, um apagamento continuado da imagem que este partido tinha junto de grande parte da população do concelho.
Repetindo a expressão lida num dos últimos comentários, até parece que anda toda a gente a olhar para o seu próprio umbigo.

domingo, 9 de setembro de 2007

VRSA na imprensa

Baixo Guadiana já tem proposta
«Várias associações ambientalistas, entre elas a Almargem e a Greenpeace – Espanha, entregaram ontem aos Governos português e espanhol a proposta de delimitação da área do Parque Natural do Baixo Guadiana Internacional (PNBGI).»

(Notícia completa no Observatório do Algarve)


Casa de Cacela Velha pode violar o PDM: posição do arquitecto autor do projecto
«há edificações no aglomerado com maiores volumetrias, a cotas superiores e que existem outras edificações (e não só) que são muito mais agressivas para o conjunto urbano e que talvez devessem merecer a atenção do Sr. Desidério. Não estão é mesmo em frente da sua casa.»

(Notícia completa no Barlavento online)


Escrever para não esquecer
«A recolha das lendas foi feita por Maria Emília Fernandes, entre os anos de 1998 e 2007. Segundo a autora, trata-se de «reproduções feitas oralmente por pessoas de Cacela» e o objectivo da obra foi «destacar a importância da oralidade» e «contrariar» a ideia de que as lendas não têm valor.»
(Notícia completa no Barlavento online)


Detido com 2.13 g de álcool no sangue - farra sai cara a espanhol
«Presente ontem ao Tribunal Judicial de Vila Real de Santo António ficou inibido de conduzir por um período de quatro meses e teve que pagar uma multa de 800 euros.»
(Notícia completa no Correio da Manhã)

sábado, 8 de setembro de 2007

Linhas de navegação

ANÓNIMO - “AQUELE QUE NÃO ASSINA O QUE ESCREVE”

Os administradores

Desde o primeiro dia que este blogue está claramente identificado. Todos os artigos publicados são assinados pelos colaboradores deste espaço de comunicação onde se partilham ideias e preocupações.
O Vilaquistão podia ser um canal fechado, acessível apenas a pessoas autorizadas. Não o é. Está aberto aos muitos milhões de utilizadores da Internet que se habituaram a navegar um pouco ao acaso, a procurar e descobrir novos blogues. Só vem aqui quem quer. Ninguém é obrigado a entrar nem a ficar. Aqueles que chegam podem ler e sair, podem sair sem ler, podem escrever e ficar, enfim têm muitas opções.
Embora com cada vez menos frequência, surgem por vezes comentários a questionar o anonimato dos administradores do blogue. Estes amigos ou têm falta de vista ou não querem ver. Leiam os nome de quem publica os artigos, as fotos, os vídeos. Estão lá.
O que falta então para saciar a curiosidade de alguns? - A fotografia? - A morada? - O número da segurança social? - O NIB?
Realmente confessamos que no início ponderámos a possibilidade da afixação destes dados. Mas o que é um nome para os milhões que podem aceder a estas páginas? Ninguém. Simplesmente um nada.
Quantos autores de blogues conhecemos realmente? Qual a percentagem dos blogues existentes por essa WEB fora cujos administradores somos capazes de identificar? O reduzidíssimo número que conhecemos deve-se ao facto dos seus nomes terem sido referidos na televisão. Não é o nosso caso.
Cada um de nós é conhecido no seio familiar, provavelmente num restrito grupo de amigos, no café onde toma a bica pingada. Por vezes nem conhecemos os moradores que habitam no prédio onde vivemos.
Ao contrário, as ideias e as palavras têm um horizonte mais amplo. Pela nossa parte, procuramos sempre fundamentar aquilo que publicamos, sabemos também que por muito que nos esforcemos nunca conseguiremos apresentar mais do que uma parcela da verdade. Mesmo assim, tentamos ser objectivos e claros dentro da subjectividade que caracteriza toda a escrita. Vamos continuar neste caminho enquanto sentirmos que vale a pena.
No entanto, e perdoem-nos a falta de humildade, para corresponder à curiosidade de alguns, a partir de hoje a fotografia do Vilão, será inserida no respectivo perfil.


Os comentadores

Uma constante surpresa. Muita vontade de participar. Utilização frequente das armas da ironia e do sarcasmo. Muitos comentários que subscrevemos sem reservas e que gostaríamos de os ter escrito. Também muitas provocações e várias entradas ofensivas. Alguns receios motivados pela falta de treino nas lides da utilização das tecnologias disponibilizadas no blogue. No total, um saldo claramente positivo numa perspectiva de construção de uma plataforma de discussão de ideias.
O maior problema é a falta de clareza na identificação de cada comentador. Em momentos de maior tensão temos tentado forçar os comentadores a utilizarem um registo do tipo caixa de correio do google, que garante confidencialidade mas distingue os participantes. A receptividade a esta pretensão tem sido quase nula. No entanto registamos com agrado que alguns (poucos ainda) já o fazem. Por isso andamos à procura de novas fórmulas para os comentários. Entretanto continuamos como até aqui: em momentos de pressão utilizamos o armamento pesado. Obrigado a todos e escrevam sempre.

Fotos Sobre Fotos

(photobucket.com)

sexta-feira, 7 de setembro de 2007

A semana dourada de Luís Gomes

1. A última semana de Agosto teve um sabor especial para o presidente da câmara de Vila Real de Santo António. Luís Gomes conseguiu obter do executivo de José Sócrates aquilo que nenhuma câmara neste país havia conseguido junto de qualquer governo socialista ou social-democrata – a partilha de competências sobre territórios de interesse portuário e também de interesse local.
No caso em apreço, o protocolo estabelecido entre a autarquia e o Instituto Portuário e dos Transportes Marítimos (entidade que substitui a antiga JAPSA, a “Junta” como é conhecida em VRSA) contempla a renovação da frente ribeirinha entre a Ponta da Areia e a zona a norte da doca de pesca onde será construída a ETAR.
De acordo com as declarações da secretária de estado dos Transportes, Ana Vitorino, o protocolo agora estabelecido mostra a nova política do Governo face às frentes ribeirinhas e marítimas urbanas a implementar em todo o País. Refira-se que em Alcoutim foi também estabelecido um protocolo entre a autarquia e o IPTM, que se pode considerar inscrito nesta nova filosofia de actuação,.
A clarificação de competências nos territórios em causa irá agilizar certamente todos os procedimentos relativos a projectos, pareceres de entidades envolvidas, prazos a cumprir e reforça a capacidade negocial da autarquia junto de investidores privados.
O único senão que vislumbramos (oxalá estejamos errados) é a mais que provável demissão do governo da sua obrigação de investimento público na recuperação ou renovação destes territórios. Por outras palavras, se há anos atrás o governo assumiu e pagou a construção do porto de recreio e a recuperação da frente ribeirinha entre o cais de embarque e a rotunda a sul da avenida da república, agora passa a ter argumentos para remeter o assunto directamente para a responsabilidade da autarquia.
Aliás, o primeiro sinal que confirma aquilo que dizemos tornou-se visível com a indicação dada por Luís Gomes de que o investimento público directo será reduzido, ao referir-se à zona do porto comercial onde está projectado um pólo empresarial constituído por vários pavilhões, um hotel de quatro ou cinco estrelas e várias zonas de comércio e lazer.
Já estamos a imaginar (vamos ficar sentados à espera), os investidores privados a suportarem a parte de leão das infra-estruturas e da “requalificação” da zona. VRSA tem exemplo dados nesse sentido mas diametralmente opostos, basta recordar, na gestão de António Murta, o badalado alargamento da avenida da República a sul, que seria da responsabilidade do construtor, e que acabou por não se concretizar como toda a gente calculava.

2. O novo Plano de Ordenamento do Sapal de Castro Marim e Vila Real de Santo António, que se encontra em fase de discussão pública, trouxe também novidades favoráveis à autarquia vila-realense. O Instituto de Conservação da Natureza e Biodiversidade (ICNB) acolheu favoravelmente a proposta da câmara municipal de VRSA e prevê a construção de uma variante à estrada nacional 125 no território sob a jurisdição da Reserva do Sapal.
Recorde-se que a construção de uma variante entre a rotunda de Monte Gordo e Vila Real de Santo António foi uma das promessas eleitorais de Luís Gomes em 2005 que, desta forma, poderá vir a concretizar-se.

3. A facilidade e rapidez com que se construiu em 2006 o caminho para os Três Pauzinhos evidenciou já uma clara modificação no relacionamento entre autarquia e Ambiente. A título comparativo recorde-se, por exemplo, o acesso à praia e estacionamento na zona do Coelho, em Monte Gordo, cuja “requalificação” nunca foi autorizada pelas mesmas entidades que permitiram alcatroar um caminho no meio do pinhal. Se olharmos para trás, e recordarmos as dificuldades que as câmaras do PS e da CDU sempre encontraram junto dos ministérios do Ambiente e dos Transportes e Comunicações e respectivos serviços regionais, somos forçados a concluir que relações pessoais privilegiadas, podem estar a favorecer esta onda de boas vontades governativas, que ultrapassam as diferenças político-partidárias, de uma forma nunca antes vislumbrada.

Novas vozes

Fotos Sobre Fotos
(legko.be)

Linhas de navegação

Daqui enviamos uma saudação especial a António Cabrita pelo seu regresso às lides da blogosfera. O Pombalino reabriu ontem as suas portas “porque é importante manter uma opinião”.

quinta-feira, 6 de setembro de 2007

VISOR DIGITAL

Fotos de um vila-realense que se interroga sobre a utilidade
de um novo PARQUE TECNOLÓGICO quando já existem dois...


... um recém criado...


... e outro em pleno funcionamento.

quarta-feira, 5 de setembro de 2007

Fotos Sobre Fotos
(imageshack.us)

Custos de viver num concelho periférico

Diariamente recebemos ofertas publicitárias das empresas de telecomunicações que operam no território nacional. Poupar os 15 ou 17 euros da assinatura do telefone é o chamariz de múltiplos anúncios que nos conduzem de imediato às páginas da Internet onde podemos esclarecer as dúvidas que nos assaltam.
Trabalho inglório pois a resposta é sempre a mesma em qualquer das buscas realizadas:

«Estes são os serviços disponíveis fora das Zonas Clix onde se encontra o nº de telefone que introduziu»

«A rede ADSL da Vodafone ainda não abrange a sua área de residência. No entanto, a Vodafone disponibiliza outras soluções de banda larga que lhe permitem aceder à Internet.»

«O número de telefone 2815XXXXX permite-lhe beneficiar de imediato de todas as vantagens dos produtos Novis de Voz e ADSL apesar de não se encontrar numa zona com cobertura Novis.»

«Ainda não se encontra numa zona com cobertura
TELE2. O serviço Internet+Telefone sem Assinatura TELE2 ainda não está disponível na sua zona.»

A possibilidade de usufruir da dispensa de pagamento da assinatura da PT está ao alcance de grande parte dos moradores de Tavira, aqui mesmo ao lado, desde há mais de um ano.
O concelho de Vila Real de Santo António não beneficia destas “vantagens tecnológicas”. Pelos vistos, a sua situação periférica aproxima-o mais de África do que da Europa.
Esta é uma matéria em que a voz da autarquia, associações e demais entidades com capacidade interventiva se devia fazer ouvir junto da PT e dos demais operadores. Contas feitas, em cada ligação poupar-se-ia quase 200 euros anualmente.

terça-feira, 4 de setembro de 2007

Fotos Sobre Fotos

(legko.be)

Ecologistas propõem criação do Parque Natural Baixo/Bajo Guadiana


Organizações ecologistas das duas margens do rio Guadiana apresentaram em Lisboa a responsáveis do Ambiente dos dois países ibéricos uma proposta de criação de um Parque Natural Internacional do Baixo / Bajo Guadiana
As associações Almargem, Altela e AMA (Algarve), Confederação Portuguesa das Associações de Defesa do Ambiente (CPADA), Fundación Pura Vida, Proyecto Intersur, Greenpeace e Ecologistas en Acción (Espanha) salientaram a urgência em proteger “a paisagem, os habitats, a fauna, a flora e os valores culturais de uma região que alberga uma das áreas fluviais e de estuário melhor conservadas da Península Ibérica, face ao avanço dos interesses urbanísticos especulativos e à completa ausência de uma gestão concertada de um território que é comum a dois países”.
Segundo refere o comunicado conjunto das associações ecologistas, no encontro verificou-se consenso em torno da necessidade de discutir de forma aberta e aprofundada esta proposta com as autoridades locais e regionais, nomeadamente a Junta de Andaluzia e as autarquias ribeirinhas do Baixo Guadiana português e espanhol.
A reunião decorreu no Ministério do Ambiente, em Lisboa, e contou com a presença do secretário de estado do Ambiente de Portugal, Humberto Rosa, e do secretário-geral do Ministério de Ambiente de Espanha, António Serrano.
Da proposta apresentada em Lisboa, no contexto da presidência portuguesa da União Europeia, e cujo texto integral deverá estar disponível em breve na página da Internet da AMA, transcrevemos os antecedentes justificativos do documento.
«O troço inferior do Rio Guadiana constitui uma das áreas fluviais e de estuário melhor conservadas da Península Ibérica. O reconhecimento gradual do valor natural desta zona que se estende ao longo da fronteira administrativa entre Espanha e Portugal, conduziu à delimitação de vários espaços protegidos que incluem o próprio rio e extensos territórios em ambas as margens. A proposta que os movimentos ecologistas e naturalistas de ambos os lados da fronteira têm vindo a desenvolver em conjunto com vista à criação de um Parque Natural Internacional do Baixo /Bajo Guadiana, responde à necessidade em dotar estes espaços protegidos e o Baixo Guadiana no seu conjunto com uma gestão integrada que permita a preservação deste importante património natural e cultural e o defenda das crescentes ameaças que pairam sobre ele (urbanização crescente e insustentável, poluição, grandes infraestruturas hidráulicas, etc.).»

segunda-feira, 3 de setembro de 2007

Fotos Sobre Fotos
(photobucket.com)

Inquérito: quase empate na CDU

Dois votos de diferença sobre Vanda Fernandes permitiram a António José Martins, presidente da autarquia vila-realense entre 1993 e 1997, ser escolhido pelos leitores do Vilaquistão como o candidato da CDU com melhores condições para alcançar um bom resultado nas próximas eleições autárquicas de 2009.
Dos três inquéritos efectuados este foi o que apresentou o resultado mais inconclusivo, com três votos apenas a separar as três escolhas possíveis, e os três nomes apresentados a alcançar cada um mais de 30 por cento das preferências dos participantes no inquérito.
Se substituíssemos António José Martins por João Rodrigues teríamos exactamente a lista que a CDU apresentou nas últimas autárquicas, com Vanda Fernandes em segundo lugar e Fernando Horta imediatamente a seguir.
Tradicionalmente o mês de Agosto poucas novidades aporta à actividade política nacional e mesmo local. Os principais actores encontram-se de férias, muitos deles a recarregar baterias e torna-se difícil encontrar matéria-prima que suscite e entusiasme os comentadores desta aldeia. Apostámos por isso, ao longo de três semanas, em inquéritos dirigidos a dada uma principais forças políticas do concelho. Parece que o tema foi levado mais a sério do que inicialmente prevíamos. O número de participante superou os primeiros inquéritos sobre temas do dia-a-dia da cidade. Sente-se o pulsar da febre (saudável) partidária em cada clic, em cada voto.
Por vezes é necessário brincar para levar as coisas mais a sério. A crispação não favorece a objectividade.
Votem sempre.

domingo, 2 de setembro de 2007

Fotos Sobre Fotos


(foto.radical.ru)

VRSA na imprensa

Um desfibrilhador por cada Centro de Saúde
«Neste momento, os centros de saúde de Aljezur, Portimão, Albufeira, Loulé, Faro, Olhão, Tavira, Vila Real de Santo António e Alcoutim já estão equipados com um desfibrilhador cada, nuns casos automáticos e noutros manuais com possibilidade de automático.
Onde se verifica a utilização mais frequente destes equipamentos é nas Unidades de Urgência Básica (Loulé e Vila Real de Santo António).»

(Notícia completa no Observatório do Algarve)


Um exemplo na foz do Guadiana
«A inauguração das instalações renovadas da alfândega - onde funcionarão vários serviços públicos - representa o início da renovação da frente ribeirinha, que terá lugar nos próximos anos.»
(Notícia completa no O Primeiro de Janeiro)


Acordo para reabilitação da zona ribeirinha de Vila Real de Santo António
«O que o acordo de colaboração institucional hoje assinado vem permitir é a clarificação entre o IPTM e o Município da forma como deve ser ordenada toda a área sob jurisdição portuária neste Concelho, compatibilizando as actividades portuárias com a fruição do espaço público.
Ou seja, a partir de hoje, há uma articulação das intervenções portuárias e das intervenções de carácter urbano, clarificando as responsabilidades do Município e do IPTM, o que cria as condições para o desenvolvimento de um projecto coerente de reabilitação de toda a zona ribeirinha de Vila Real de Santo António.»
(Texto completo no Portal do Governo)


Duas toneladas de droga apreendidas no Guadiana
«O serviço marítimo da Brigada Fiscal da GNR de Vila Real de Santo António apreendeu 70 fardos de pólen haxixe, que representavam mais de duas toneladas de droga. O haxixe estava numa embarcação, na foz do rio Guadiana, que foi detectada na noite de quarta-feira, tendo os suspeitos fugido.»
(Notícia completa no Diário de Notícias)


GNR tem oito lanchas encalhadas
«As oito lanchas de fiscalização em águas interiores (LFA), próprias para patrulhamentos costeiros, foram uma encomenda do Gabinete de Estudos e Planeamento de Instalações do MAI à empresa Rodman, um grupo galego de construção naval com estaleiros sediados em Vila Real de Santo António.»
(Notícia completa no Correio da Manhã)